Você pretende usar o conteúdo abaixo para
Agradecemos sua resposta!

Tempo de leitura: 3 minutos

Durante a quarentena, muitos setores e atividades econômicas precisaram se readequar.

A Cobli usou dados de rastreamento e monitoramento inteligente de frotas para analisar o impacto das medidas preventivas contra a covid-19 na circulação dos times de campo de pequenas e médias empresas de todo o Brasil.

A análise leva em consideração o total de quilômetros rodados pelas frotas a partir do dia 23 de março — quando as medidas de restrição comercial começaram a entrar em vigor.

A análise é feita a partir da variação semanal no total de quilômetros rodados, comparando sempre com a semana anterior à quarentena (de 16 a 22 de março).

Além disso, apenas segmentos com 10 ou mais empresas foram considerados.

É possível observar um impacto severo na circulação dessas frotas nas primeiras semanas, seguido de um aumento gradual.

Na primeira semana, as empresas chegaram a reduzir 28% na circulação. Nas semanas mais recentes, essa redução se estabilizou por volta de 10%.

Leia também:
Coronavírus: Como o PIB 2020 dependerá do transporte terrestre

Os setores mais e menos impactados

As restrições comerciais impostas em algumas regiões impactaram alguns setores de forma mais bruta.

Por esta tabela, vemos como os principais segmentos da economia (de acordo com a classificação CNAE, Classificação Nacional de Atividades Econômicas) foram afetados:

impacto coronavirus logistica

Um fato interessante é o aumento expressivo de setores como o de serviços para edifícios, puxado principalmente por serviços relacionados à limpeza.

Como era esperado, também houve um aumento na operação de empresas da área da saúde e assistência psicossocial.

Outro tipo de frota que teve aumento de circulação foi a de empresas relacionadas à fabricação de bebidas. Por outro lado, houve uma queda no segmento de alimentação.

Os setores que mais sofreram o impacto até o momento foram educação e a área de fabricação e manutenção de móveis, maquinas e equipamentos.

“Um dos grandes problemas que começa a aparecer são os efeitos secundários do impacto. A queda da quilometragem rodada já está influenciando o consumo de combustível e a manutenção, por exemplo”, diz Rodrigo Mourad, diretor executivo da Cobli.

Segundo ele, esse movimento atinge setores como petróleo e autopeças e, assim, o efeito se estende.

“O petróleo, por exemplo, já está no menor preço desde 2002. Esse efeito em cadeia também irá acontecer na retomada, tornando o processo de recuperação mais lento para algumas indústrias”, continua Mourad.

Este conteúdo te ajudou? Fique de olho na página especial da Cobli sobre o coronavírus com mais atualizações sobre a pandemia e seus impactos na logística.

Monitoramento de frota - Coronavírus : Impacto da pandemia em setores da indústria [PME]
Fale com nossos especialistas!

Estamos disponíveis para tirar dúvidas e demostrar o sistema de rastreamento e monitoramento de frotas da Cobli em ação.

Teste grátis

Escreva um Comentário