Quanto custa um acidente de trabalho? Veja valores e dicas de prevenção

Entender quanto custa um acidente de trabalho ajuda a mensurar a importância de criar ações de prevenção nas empresas, especialmente na indústria.

Além de zelar pelo bem-estar e integridade física de seus funcionários, um programa de prevenção de acidentes tem impacto na produtividade e na saúde financeira da companhia.

No Brasil, o número de acidentes de trabalho cresce a cada ano. Entre 2020 e 2021, o aumento foi de 28%, segundo dados do Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho, do Ministério Público do Trabalho (MPT).

Somente em 2021, o órgão recebeu 571.786 comunicados de acidentes de trabalho em todo o País. Já o número de mortes foi de 2.487, um crescimento de 33% em relação ao ano anterior.

Além das vidas perdidas e das sequelas que podem ser permanentes na vida dos trabalhadores, os custos dos acidentes de trabalho prejudicam as finanças das companhias, uma vez que os valores pagos para dar suporte ao colaborador podem ser substanciais.

Quer saber quanto custa um acidente de trabalho para uma empresa? Então, siga com a leitura e confira todas as informações a seguir.

Quem paga o custo do acidente de trabalho?

Antes de ir a fundo nos custos de afastamento de trabalho, é importante compreender melhor o significado do tema deste artigo.

Acidente de trabalho é aquele em que o funcionário sofre lesão corporal ou perturbação funcional que resulte em perda ou redução da capacidade de trabalho ou sua morte, no ambiente de seu emprego ou em decorrência dele.

Ele pode ocorrer em qualquer tipo de empresa, mas alguns setores trazem um risco maior para seus empregados, como o manuseio de máquinas e equipamentos pesados.

No caso de companhias com frotas, o cuidado com a segurança de seus colaboradores deve ser ainda maior, uma vez que estarão em trânsito constantemente.

Adotar medidas de seguranças para toda a equipe e treinamento constantes evita acidentes de trabalho.

O custo de um acidente de trabalho impacta a finanças da companhia, mas também dos cofres públicos.

De forma geral e de acordo com a legislação brasileira, é a empresa quem deve arcar com os valores que decorrem de um acidente de seu colaborador, seja em seu deslocamento ou no cumprimento de suas funções.

Já os custos de afastamento do trabalho podem ainda recair para o governo, por meio da seguridade social, como você vai entender melhor nos próximos tópicos.

Quanto custa um acidente de trabalho?

Os custos com acidentes de trabalho no Brasil somam cerca de 9% da folha salarial do país, o que representa cerca de R$72 bilhões anualmente.

É uma cifra altamente expressiva, contudo, quando se coloca na balança o impacto que o acidente de trabalho acarreta na vida do funcionário e de sua família, este montante pode ser incalculável.

Mas de maneira objetiva, existem três formas de entender qual é o custo de um funcionário acidentado para a empresa.

São variáveis que influenciam no valor para cobrir as consequências de uma intercorrência e vão determinar quanto custa um acidente de trabalho. Confira abaixo:

  • Por evento: neste quesito entram os custos que envolvem o acidente em si, como hospitalização do funcionário, pagamento de multas, reparo de equipamentos ou maquinário, etc;
  • Por tempo dos funcionários envolvidos: em decorrência do acidente, devem ser realizadas investigações, palestras de segurança, reuniões sobre como gerir a crise, etc, e tudo isso gera custos para a companhia;
  • Por tempo de parada de processo ou maquinário: nesta variante, é necessário considerar os gastos que envolvem o tempo em que o equipamento ou máquina fica parado, impactando a produção da empresa.

Levando isso em consideração, quanto custa um acidente? De acordo com dados do SEST Senat, esse valor pode chegar a aproximadamente R$406 mil para a empresa, podendo variar de acordo com as características apresentadas anteriormente.

Há ainda os custos de afastamento de trabalho pagos pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

Dados apontam que entre 2012 e 2021, foram concedidos 2,5 milhões de benefícios previdenciários acidentários, como auxílio-doença, aposentadoria por invalidez , pensões por morte e auxílio-acidente. Neste período de uma década, foram gastos cerca de R$120 bilhões por meio do INSS.

Quais são os custos que o acidente de trabalho pode gerar?

Agora que você já sabe quanto custa um acidente de trabalho, vai entender melhor quais são os tipos de custos que este tipo de situação traz para o empregador.

Custos diretos

São aqueles que estão relacionados aos gastos diretos com o funcionário acidentado, como internação, tratamento médico, medicamentos, reabilitação, seguro acidente, afastamento de 15 dias do empregado, transporte do funcionário acidentado para o tratamento, etc.

Custos indiretos

Estes custos se referem ao processo de paralisação da empresa em decorrência do acidente de trabalho, como o tempo necessário para avaliação e conserto do maquinário, substituição do funcionário machucado, despesas com perícia, compra de um novo carro ou seu reparo, cursos de segurança no trânsito ou na indústria e até mesmo uma possível crise de imagem que a companhia pode sofrer.

Custos judiciais

Estes valores são os mais onerosos para o empregador e abrangem a indenização paga ao funcionário e os gastos com honorários dos advogados.

Diante deste panorama, é possível notar como os custos com acidentes de trabalho podem desestruturar as finanças de uma empresa. Por isso, investir em prevenção é a melhor forma de atuar em qualquer segmento.

Dicas de como prevenir acidente de trabalho em sua empresa

Prevenção é a palavra-chave para evitar um custo de acidente do trabalho, por isso, é necessário investir em ações efetivas de segurança, que vão garantir que os funcionários atuem seguindo normas e com a proteção adequada.

Neste sentido, realizar treinamentos constantes com equipe especializada é essencial para que o funcionário tenha pleno conhecimento de sua função e também de como executá-la da maneira mais segura possível.

O uso de equipamentos de proteção individual, os chamados EPIs, também é um ponto primordial, especialmente quando se trata de fábricas e indústrias.

No caso de uma empresa de frotas de carros, por exemplo, é preciso que o gestor realize treinamentos e cursos sobre segurança no trânsito, direção defensiva, entre outros.

Isso porque o custo de um acidente de trabalho em um veículo pode ser ainda mais delicado, uma vez que pode haver o envolvimento de terceiros.

Os custos com acidentes de trabalho no Brasil somam cerca de 9% da folha salarial do país.

Outra ação válida é criar uma Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, que contará com a participação dos próprios funcionários, que vão traçar mapas de riscos e estratégias que visam minimizar as intercorrências na companhia.

Por fim, vale a pena investir em uma comunicação rápida e eficaz entre os setores, principalmente para que possíveis acidentes sejam solucionados com agilidade, como por exemplo, o aviso de um incêndio ou de um funcionário ferido.

Muito mais importante do que saber quanto custa um acidente de trabalho é conhecer maneiras efetivas de evitá-lo, uma medida que vai proteger a vida e integridade física dos funcionários e também as finanças da empresa.

Esta publicação te ajudou? Confira essa e outras explicações sobre questões de logística e gestão de frota no Blog da Cobli.

Fale com nossos especialistas!

Estamos disponíveis para tirar dúvidas e demonstrar o sistema de rastreamento e monitoramento de frotas da Cobli em ação.

Teste grátis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.