Calculando a depreciação de veículos na gestão de frota

Depreciação de veículos: 08 dicas para evitar na sua frota

A depreciação de veículos é a redução do valor de um automóvel ao longo do tempo, geralmente devido a vários fatores, como idade, desgaste, quilometragem, condições de mercado e obsolescência. 

Isso é um dos controles mais esquecidos pelos donos de veículos. A falta de pequenos reparos e revisões de manutenção irá apresentar impactos a longo prazo.

Por falar nisso, já escrevemos por aqui sobre a importância da gestão de qualidade na manutenção da frota.

Afinal, é acompanhando com cuidado as necessidades de revisão e manutenção dos carros que os gestos poderão evitar uma porção de gastos indesejados e ainda possíveis atrasos na gestão de frota.

Continue a leitura e entenda o que é depreciação de veículos e como fazer esse cálculo para a sua frota. Boa leitura!

O que é depreciação de veículos?

A depreciação de veículos é o processo de perda de valor pelo qual passam os automóveis e outros bens depreciáveis ao longo do tempo.

Para comprovar isso, basta observar que um veículo será dificilmente revendido por um valor maior do que custou.

Com outros bens, como imóveis e terrenos, por exemplo, é possível realizar a revenda por um valor mais alto do que o de compra, pois eles podem se valorizar com o tempo.

Por isso, são considerados bens não depreciáveis, podendo ser adquiridos como forma de investimento.

Vale mencionar que a desvalorização de um veículo pode variar de acordo com alguns fatores. Então, apesar da depreciação ser inevitável, ela pode ser reduzida com algumas medidas que falaremos ao decorrer deste artigo.

Diferença entre desvalorização e depreciação de veículos

Embora os termos desvalorização e depreciação de veículos sejam frequentemente utilizados como sinônimos, na verdade, eles possuem significados distintos:

Depreciação de veículos

É a perda de valor em decorrência do seu uso e desgaste natural. A depreciação é uma consideração importante para proprietários de veículos, por afetar diretamente o valor de revenda ou troca do carro.

Um carro com baixa quilometragem, bem cuidado e sem histórico de acidentes terá uma depreciação menor do que um carro com alta quilometragem, mal cuidado e com histórico de acidentes.

Ou seja, é uma perda econômica real e geralmente é mais acentuada nos primeiros anos de posse de um veículo novo.

Desvalorização de veículos

É a perda de valor de mercado do veículo devido a fatores externos, como mudanças nas condições econômicas, flutuações no mercado ou mesmo a reputação da marca do veículo.

Observe o exemplo:

Imagine que, em decorrência de uma crise econômica, o valor de todos os carros usados cai 20%. Nesse caso, todos os veículos sofreram desvalorização, mesmo aqueles que estão em excelentes condições.

Isso pode ser mais imediato e afetar todos os veículos de um determinado segmento ou marca, independentemente de sua idade ou condição.

Como a depreciação de veículos pode impactar a frota?

Ignorar esse tipo de gasto pode fazer com que o empresário trabalhe acreditando lucrar, quando, na verdade, pode ter surpresas desagradáveis e sérios prejuízos no futuro.

Além disso, querendo ou não, a depreciação de veículos pode impactar até mesmo a eficiência operacional. Isso sem dúvidas dificulta a redução de custos e manutenção da competitividade.

Para evitar que isso aconteça, o preço que uma empresa cobra por um produto ou serviço deve conter a soma proporcional de todos os gastos da organização mais a parcela de lucro.

Deixar de somar algumas despesas na formação do preço pode significar perdas que, provavelmente, só serão identificadas quando for tarde demais.

Para que a depreciação de veículos não se torne um problema ainda maior para a sua empresa, confira duas maneiras de calculá-la corretamente!

A depreciação de veículos é o processo de perda de valor pelo qual passam os automóveis ao longo do tempo.

Como calcular a depreciação de veículos?

Existem duas maneiras de calcular a depreciação de veículos, sendo elas: o cálculo gerencial, baseado na Tabela Fipe, e o cálculo contábil, que considera regras da Receita Federal.

Veja o passo a passo das suas modalidades de cálculo a seguir:

Cálculo gerencial

Para começar a calcular, levante as seguintes informações:

  • Valor pelo qual comprou o veículo;
  • Período que deseja considerar para analisar a desvalorização;
  • Valor de revenda do modelo na Tabela Fipe.

Em seguida, aplique a fórmula de depreciação: Índice de Desvalorização = [(Ano anterior – Ano seguinte) / Ano anterior] X 100

2019 (ano da compra do veículo): R$ 100.000,00.

Valor nos anos seguintes, conforme a Tabela Fipe.

  • 2020: R$ 87.000,00;
  • 2021: R$ 82.000,00;
  • 2022: R$ 79.000,00;
  • 2023: R$ 74.000,00;
  • 2024: R$ 69.000,00.

Considerando o período de 2020 a 2024, temos:

Índice de Desvalorização = [(87.000 – 69.000) / 87.000] X 100

Índice de Desvalorização = 20,68%

Isso significa que o veículo perdeu 20,68% do seu valor ao longo de 04 anos. Para obter o índice de desvalorização de cada ano, basta alterar o valor do ano seguinte ao aplicar a fórmula.

Cálculo contábil

Já o cálculo contábil, o mais usado por grandes empresas, é um pouco mais complicado. Ele é feito com base nas normas contábeis e regras definidas pela Receita Federal.

A Receita Federal já estabelece o quanto os veículos irão depreciar a cada ano, por quantos anos e quanto terá de valor residual.

Os dados são os seguintes:

  • Taxa de depreciação de veículos de carga: 20% ao ano;
  • Prazo de depreciação de veículos de carga: 5 anos;
  • Valor residual: 20%.

Nesse caso, suponhamos agora que o veículo custe R$ 100 mil e sofrerá 80% de depreciação.

O valor residual é de 20% e sofrerá depreciação de R$ 80 mil em 5 anos, sendo 20% (R$ 16.000) a cada ano. Ou seja, R$ 1.333 por mês (R$ 16.000/12).

Agora, sabe o que pode ajudar você também? Usar a planilha para cálculo de depreciação de veículos elaborada pela Cobli.

Para que serve o cálculo de depreciação?

O cálculo da depreciação é uma ferramenta essencial para empresas e pessoas físicas, fornecendo informações fundamentais para a tomada de decisões. Além disso, ainda é importante para:

Registro preciso de ativos

O cálculo de depreciação permite que uma empresa mantenha um registro preciso do valor dos ativos em seu balanço patrimonial. 

Isso é importante para uma avaliação precisa dos recursos da empresa e para a prestação de contas aos investidores, credores e outras partes interessadas.

Avaliação de ativos

Fornece uma maneira sistemática de reduzir o valor contábil dos ativos ao longo de sua vida útil. Nesse sentido, reflete melhor a deterioração do valor dos ativos à medida que são usados e envelhecem.

Cálculo de impostos

Em muitos países, as empresas podem deduzir a depreciação dos impostos como uma despesa operacional. O cálculo preciso ajuda as empresas a determinar suas obrigações fiscais de maneira adequada e a maximizar suas deduções fiscais.

Previsão financeira

É essencial para a previsão financeira de uma empresa. Ajuda a estimar as despesas futuras relacionadas à substituição ou atualização de ativos, bem como a determinar o impacto da depreciação nos lucros e fluxo de caixa futuros.

depreciação de veículos na gestão de frota
Calcular a depreciação de veículos é essencial para a saúde financeira da gestão de frota.

O que influencia na depreciação de veículos?

Existem vários fatores que influenciam a depreciação de veículos. Conhecê-los é importante para ter maior controle sobre a frota e adotar medidas para tornar o processo de desvalorização mais lento.

Veja quais são os principais a seguir:

Ano de fabricação

O ano de fabricação de um veículo é como a data de nascimento de uma pessoa, pois indica sua idade. Logo, um automóvel com mais anos de existência tem maiores chances de estar desgastado e apresentar defeitos, por isso tem seu valor reduzido no mercado.

Quilometragem

A quilometragem é outro fator que influencia diretamente a depreciação de veículos. Afinal, os quilômetros rodados indicam o quanto um carro foi usado, tendo grande relação com o estado de conservação das peças.

Quanto mais rodado é um veículo, maior é a necessidade de substituição de peças, que naturalmente se desgastam com o uso. De maneira geral, exemplares com mais de 60 mil km rodados começam a exigir maior atenção.

Modelo do veículo

Além dos outros fatores mencionados, a procura pelo modelo possui forte influência sobre a desvalorização de um veículo. Por essa razão, modelos mais desejados e com maior procura tendem a ser mais valorizados.

Entre os aspectos que costumam influenciar para tornar um veículo mais desejado estão:

Estado de conservação

Por fim, temos o estado de conservação, um fator que naturalmente tem relação com o ano de fabricação e a quilometragem do veículo, mas que se diferencia por ser possível de controlar.

Isso significa que o modo com o qual o condutor utiliza o automóvel e cuida dele pode acelerar ou retardar sua depreciação.

Inclusive, o fato do carro ter sofrido ou não colisões, é bastante considerado nesse contexto, mesmo que já tenha sido reparado e visivelmente não apresente sinais de batida.

Marca e modelo

Marcas conhecidas pela confiabilidade, durabilidade e valor de revenda geralmente experimentam uma depreciação menor em comparação com marcas menos conceituadas.

Demanda de mercado

A demanda e a oferta no mercado de veículos usados também estão ligadas à depreciação. Se houver uma alta demanda por um determinado modelo de veículo usado, sua depreciação pode ser menor. 

Por outro lado, se houver excesso de oferta de um modelo específico, sua depreciação pode ser mais acentuada.

Tecnologia e recursos

Avanços em tecnologia e recursos podem influenciar a depreciação. Veículos com recursos desatualizados podem depreciar mais rapidamente do que aqueles com tecnologia mais recente e recursos avançados.

A depreciação de veículos está totalmente ligada ao modo de uso.

08 Dicas para evitar a depreciação de veículos

Embora a depreciação de veículos seja inevitável ao longo do tempo, existem estratégias que podem minimizar esse processo.

01. Cuide bem do veículo

Faça a manutenção da frota regularmente e siga as recomendações do fabricante para garantir que o veículo esteja em boas condições mecânicas. Mantenha registros de serviço detalhados, o que pode ser útil ao vender o veículo.

02. Evite quilometragem excessiva

Tente limitar a quantidade de quilômetros que você dirige por ano. Quanto menor a quilometragem, menor será a depreciação do veículo. Considere alternativas, como utilizar transporte público ou compartilhamento de carros.

03. Evite danos e desgaste

Tome cuidado ao estacionar o veículo para evitar arranhões, amassados ​​e outros danos. Evite fumar no interior do carro, pois odores e manchas podem diminuir seu valor de revenda.

04. Estacione em lugares cobertos

Estacionar o veículo em uma garagem ou em um local coberto pode protegê-lo dos elementos, como sol, chuva, neve e granizo, o que pode ajudar a preservar a pintura e os componentes exteriores.

05. Evite modificações

Modificações personalizadas podem ser atraentes para alguns compradores, mas podem reduzir o apelo do veículo para outros. Modificações extremas podem até mesmo diminuir o valor de revenda.

06. Mantenha o interior limpo e bem conservado

Limpe regularmente o interior do veículo e proteja os bancos e carpetes de manchas e rasgos. Um interior bem cuidado pode fazer uma grande diferença no valor de revenda.

07. Conheça o momento certo para vender

Fique atento ao mercado de veículos usados e venda o veículo no momento certo. Evite esperar até que o veículo tenha uma depreciação maior para vendê-lo.

08. Conte com um sistema de gestão de frota

Adotar um sistema de gestão de frota eficiente é crucial para empresas que desejam diminuir a depreciação dos veículos e otimizar seus investimentos

Através da coleta e análise de dados, essas ferramentas oferecem uma visão abrangente sobre o desempenho da frota, permitindo que gestores tomem decisões estratégicas para prolongar a vida útil dos veículos e minimizar custos.

A Cobli possui uma solução integrada de gestão veicular que descomplica o gerenciamento de veículos e monitora todos os passos do motorista ao longo de uma viagem.

Com as funcionalidades do sistema é possível acompanhar todos os fatores que podem contribuir para a depreciação da frota, a fim de evitar fatores de desvalorizem os veículos.

Banner de case de sucesso da Cobli com empresa de segurança.
A Cobli é a solução que a sua frota precisa para otimizar todos os níveis da operação.

Mas é importante lembrar que nenhum veículo é eterno ou estará imune aos danos, por mais que você tome todos os cuidados possíveis ou adote um sistema de gestão. Em algum momento, será necessário começar a renovar sua frota.

O que isso quer dizer? Veículos não devem ser considerados patrimônio da companhia, ele é apenas uma ferramenta de trabalho.

Isso não quer dizer que não deve deixar os cuidados de lado. A depreciação de veículo acontece, mas pode demorar um pouco mais do que o esperado.

Esta publicação te ajudou? Confira essa e outras explicações sobre questões de logística e gestão de frota no blog da Cobli!

Sobre o autor

Fale com nossos especialistas!

Estamos disponíveis para tirar dúvidas e demonstrar o sistema de rastreamento e monitoramento de frotas da Cobli em ação.

Teste grátis

4 comentários em “Depreciação de veículos: 08 dicas para evitar na sua frota”

  1. Olá! Artigo excelente! Só uma dúvida: qual norma da Receita Federal estabelece essa porcentagem de 20% para valor residual de veículos? Ficaria muito grato se pudesse dar essa informação, pois preciso estudar sobre o assunto.

    1. Iure, tudo bom? Que bom que gostou do artigo! Sobre a sua dúvida: essa porcentagem é estabelecida pela Receita Federal conforme tabela disponibilizada pelo próprio órgão.

  2. Francisco Das chagas Oliveira Silva

    Muito bom o cálculo do valor para se achar quanto de depreciação um carro fica desvalorizado e quanto devemos reservar para manter sempre a troca no final do período.

    1. Olá, Francisco! Ficamos felizes que tenha te ajudado. Nos esforçamos para oferecer textos que auxiliem no dia a dia dos gestores de frota e motoristas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *