cartão-pedágio para o transporte de cargas

Você sabe o que é vale-pedágio? Confira nosso guia sobre o assunto!

Você sabe o que é a lei do vale-pedágio e qual a sua importância para os trabalhadores que viajam o Brasil inteiro entregando as mais diversas mercadorias?

Existem muitas legislações, manifestos e conhecimentos que envolvem a área de transporte de cargas e é preciso conhecê-los bem para saber seus direitos e deveres. 

Por isso, nesse texto, vamos falar de um benefício obrigatório para este setor: o vale-pedágio para transportadoras e motoristas autônomos.

Tanto empresas que contratam esse tipo de serviço, como os próprios motoristas precisam estar ciente do que é o vale-pedágio, afinal, o benefício foi criado para assegurar um direito do transportador de mercadorias e o não cumprimento da lei pode acarretar em multas.

Portanto, tirar todas as dúvidas sobre a lei do vale-pedágio, neste texto você verá:

O que é o vale-pedágio?

Desde 23 de março de 2001, foi colocada em prática a Lei n° 10.209 que garante aos motoristas autônomos e transportadoras o benefício do vale-pedágio.

E, desde essa data, o pagamento do vale-pedágio tornou-se obrigatório por parte das empresas contratantes desse tipo de serviço.

Mas, afinal, o que é o vale-pedágio? 

Como o próprio nome já diz, o benefício é a quantia que o motorista gasta nos pedágios das estradas brasileiras para ir e voltar de seu trajeto, transportando as mercadorias.

Em uma comparação bem simples, o vale-pedágio seria o vale transporte das pessoas físicas, e fornecido em forma de cartão ou se cupons para os motoristas do transporte rodoviário de cargas usarem no dia a dia.

O que diz a lei a respeito do vale-pedágio?

Se você começar a colocar no papel todos os gastos inerentes ao transporte de cargas, certamente a lista será extensa. 

São muitas as despesas envolvendo este setor: combustível, licenciamento e seguro de veículo, manutenção da frota e, claro, os pedágios.

Antigamente o custo dos pedágios estava integrado ao valor total do frete

Mas na prática, os motoristas autônomos e/ou transportadoras acabavam saindo sobrecarregados financeiramente. 

Isso porque as cobranças dos pedágios são feitas em dinheiro e, muitas vezes, as promessas de restituição da quantia gasta para o transporte não se cumpriam de fato.

A falta de uma legislação que cobrasse as empresas uma posição mais assertiva com relação aos custos da viagem veio por meio da lei do vale-pedágio.

De acordo com a regulamentação vigente desde 2001, qualquer companhia que contrate um motorista autônomo e/ou uma transportadora para carregar mercadorias deve pagar o vale-pedágio antes do início da viagem.

Ou seja, não existe mais a possibilidade de agregar este custo ao valor total do frete.

O ideal é que as despesas do benefício sejam incluídas no planejamento financeiro da empresa, para que o pagamento não extrapole de última hora o orçamento disponível

Como funciona o vale-pedágio

Agora que você já sabe o que é vale-pedágio e seu amparo na lei, é preciso saber como ele funciona na prática!

Existem basicamente três formas que permitem a empresa ter como comprar o vale-pedágio:

Cartão eletrônico

A empresa que está contratando o serviço de transporte de cargas pode fornecer um cartão eletrônico ao motorista, já carregado com os valores que serão gastos nos pedágios durante a viagem. 

Junto a esse cartão, o embarcador também precisa emitir um comprovante informativo, anexado à documentação da carga, relativa à empresa que colocou os créditos do vale-pedágio.

Cupons

Outra opção para o contratante ter como pagar o vale-pedágio para transportadoras é com o fornecimento de cupons.

Como um bilhete unitário, esse cupons podem ser utilizados uma única vez e já vêm com um prazo de validade pré-estabelecido.

Assim, o seu uso é exclusivo para aquela viagem a qual o motorista foi contratado e basta apresentar esses cupons nas cabines e continuar o trajeto. 

Vale lembrar que, assim como no cartão eletrônico, para a distribuição de cupons também é necessário um documento que comprove a compra desses cupons, bem como o valor do vale-pedágio.

Pagamento automático de pedágios

Quem não sabe onde comprar o vale-pedágio, aqui vai a dica: a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o órgão que regula o setor no Brasil, disponibiliza uma lista de empresas habilitadas que oferecem o vale-pedágio. 

Basta fazer o seu registro em uma dessas empresas e comprar o benefício do trajeto completo com elas.

E, claro, não se esqueça de anexar o comprovante do vale-pedágio à documentação da carga.

Viu que não tem mistério sobre como comprar o vale-pedágio? Basta seguir um dos passos citados acima. 

a regra do vale-pedágio é diferente para cargas fracionadas

O pagamento do vale-pedágio funciona da mesma maneira para cargas fracionadas?

A resposta é não. Denomina-se transporte de cargas fracionadas aqueles veículos que entregam mercadorias de clientes variados e, consequentemente, em endereços distintos.

Para ser justo com as empresas contratantes, existem duas formas de pagar o vale-pedágio no caso de cargas fracionadas:

  1. Se aquele motorista autônomo ou transportadora irá carregar mercadorias com destinos variados, mas todos a pedido da mesma empresa, então, o contratante deve arcar com todos os custos do vale-pedágio.
  2. Caso existam duas empresas ou mais que contratem o serviço de transporte de cargas, o custo do vale-pedágio é rateado entre as mesmas e pago junto ao valor do frete.

Nota-se que no segundo tópico há uma exceção à regra imposta pela lei lá de 2001: a não obrigatoriedade do pagamento adiantado do benefício, visto que ele será quitado junto ao custo do frete.

Vantagens do vale-pedágio

Segundo a ANTT, todos são beneficiados com a lei do vale-pedágio, seja o embarcador ou o transportador da carga.

  • Transportadores rodoviários de cargas: não precisam mais arcar com os custos do pedágio durante a viagem.
  • Embarcadores (empresas que contratam esse tipo de serviço): ao cumprir a lei, o contratante consegue pré-definir o trajeto a ser seguido, afinal, o valor do pedágio varia de acordo com a praça. Dessa forma, é possível estabelecer roteiros mais seguros, evitando ao máximo passar por locais onde o transporte fica vulnerável ao roubo de cargas.
  • Operadores de rodovias sob pedágio: conseguem garantir que o transportador de cargas passe pela praça do pedágio, reduzindo assim, as rotas de fugas para não pagar o valor do mesmo.

Além disso, os gastos com vale-pedágio e rastreamento geram créditos de Pis e Confins. 

Dessa forma, o benefício é considerado um insumo para ambos tributos obrigatórios em um regime não cumulativo.

Isso quer dizer que os gastos com vale-pedágio e rastreamento geram créditos de Pis e Confins podem ser aproveitados pelos empresários. 

Quando não é obrigatório pagar o vale-pedágio?

Existem cinco situações possíveis nas quais a empresa não é obrigada a pagar o vale-pedágio e você pode conferi-las abaixo:

  • Quando o veículo estiver circulando sem carregamento, ou seja, sem mercadorias em seu interior, mas com uma condição: desde que não exista a obrigatoriedade imposta por um contrato para que o mesmo tenha que retornar ao local de embarque já vazio.
  • Situações nas quais o veículo transporta cargas fracionadas.
  • Casos nos quais empresas habilitadas realizam o transporte rodoviário internacional.
  • Quando é realizado o transporte de uma mercadoria particular por meio de uma frota própria. Neste caso é necessário um documento que comprove o vínculo tanto da mercadoria, quanto do veículo.
  • Transportadoras aprovadas no Regime Especial imposto pela Resolução ANTT n° 150, do ano de 2003.
como usar o vale-pedágio

Penalidades em caso de não cumprimento da lei

O cumprimento da lei do vale-pedágio é fiscalizado pela ANTT. 

O órgão, por sua vez, examina todos os casos de violação da legislação os quais recebe e tem o direito de questionar a empresa alegada como infratora. 

A companhia pode dar a sua defesa, mas em casos de comprovação da desobediência da lei, existem algumas penalidades. 

Uma delas é a multa administrativa de R$ 550,00 por cada veículo contratado para transportar cargas e que, mediante comprovação, fique claro que não foi pago o custo antecipado do vale-pedágio.

É importante destacar que essa multa pode chegar ao valor de R$ 10,5 mil.

No entanto, o artigo 8° da lei n° 10.209 ainda estabelece que caso não exista o prejuízo da multa e seja comprovada a infração, a empresa contratante deve indenizar o motorista autônomo e/ou transportadora com uma quantia equivalente a duas vezes o valor do frete.

Em 2018, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) entrou com uma liminar contra a lei de 2001 (ADI 6031), alegando que o artigo 8° da norma do vale-pedágio é inconstitucional

O argumento utilizado pela CNI é de que o artigo desobedece aos princípios de proporcionalidade e igualdade instituídos pela Constituição.

O pedido de inconstitucionalidade do vale-pedágio, de acordo com o ponto destacado, contudo, foi negado em sessão no plenário do STF em maio de 2020.

Por unanimidade, os ministros do Supremo Tribunal Federal negaram a ação de inconstitucionalidade do vale-pedágio.

Agora que você já sabe tudo sobre como funciona o vale-pedágio, não deixe de garantir esse benefício aos transportadores de cargas para evitar dores de cabeça no futuro.

Esta publicação te ajudou? Confira outros conteúdos como esse na nossa home.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *