MTTR: saiba o que é essa sigla e por que você precisa adotá-la

Em uma era em que “os dados são o novo petróleo”, deixar de acompanhar os indicadores de manutenção da sua empresa é um grande desperdício – e o MTTR pode ser uma das métricas mais relevantes de prestar atenção.

Muito utilizada por profissionais de manutenção, suporte e operações, o MTTR é um indicador que pode ajudar sua empresa a ganhar produtividade e reduzir custos.

Afinal de contas, é um índice que mede o tempo médio gasto para consertar um problema de um aparelho, máquina, equipamento ou veículo.

Mais do que só um intervalo de tempo, porém, o MTTR pode ser um indicador de saúde das suas máquinas, da eficiência do time de manutenção e até mesmo um aviso de que está na hora de investir.

Não entendeu? Tudo bem, vamos com calma: neste texto, vamos te explicar o que é o MTTR e como ele deve ser calculado.

O que é MTTR? O que significa essa sigla?

Assim como muitos termos do universo dos negócios, MTTR é uma sigla em inglês, que significa “mean time to repair”.

Em bom português, isso significa “tempo médio para consertar”, sendo que o conserto se refere a uma máquina, equipamento, veículo ou qualquer coisa que demanda reparo.

É uma métrica que ajuda a entender não só a eficiência de uma equipe de manutenção, mas também o impacto que uma falha causa nas operações.

O que é MTTR? O que significa essa sigla?

Assim como acontece no MTBF, outra métrica super importante para quem lida com manutenção, o MTTR é calculado a partir de uma simples conta de divisão.

Basicamente, sua fórmula é a seguinte:

MTTR = tempo total do equipamento sem operar (ou a soma total dos tempos de reparo) / número de falhas em um período determinado.

Vamos a um exemplo: uma máquina trabalha 12 horas por dia, mas teve duas falhas naquele dia específico.

A primeira falha durou 10 minutos, enquanto a segunda durou 30 minutos.

Isso significa que o tempo total do aparelho sem operar foi de 40 minutos, e o número total de falhas foi 2.

Se você sabe matemática, já adivinhou que o resultado do MTTR é igual a 20 minutos.

Deu para entender?

Qual é a diferença entre o MTTR e o MTBF?

Neste texto, já falamos um pouco sobre o MTTR, um importante indicador de manutenção.

Outro indicador de manutenção bastante utilizado por gestores de negócio em todo o mundo é o MTBF.

Apesar das siglas serem parecidas, eles medem coisas bem diferentes.

Em inglês, MTBF significa “mean time between failures” – ou seja, o “tempo médio entre falhas”.

Ele é calculado pela divisão entre o tempo total de operação de uma máquina e o número de falhas que aconteceram em um determinado período.

Se utilizarmos o exemplo acima, da mesma máquina, vamos entender que a máquina trabalhou, em um dia, o tempo total de 11 horas e 20 minutos (ou 680 minutos).

Se aconteceram duas falhas, significa que o MTBF é de 340 minutos (ou seja, 5 horas e 40 minutos) – algo bem diferente dos 20 minutos que nós medimos para o MTTR, certo?

Se você entendeu bem o propósito de cada um desses dois índices, vai perceber que a meta de qualquer operação é aumentar o MTBF, isso é, a produtividade de seus aparelhos.

Ao mesmo tempo, todo gestor também deve estar preocupado em reduzir o seu MTTR, melhorando a eficiência das máquinas e equipamentos.

Além disso, também deve ter percebido que esses dois indicadores, usados há décadas para a tomada de decisões, medem coisas opostas.

O MTBF mede a confiabilidade de um sistema, enquanto o MTTR aponta para a eficiência dos consertos.

Prestar atenção no tempo que um sistema leva para ser reparado é importante – e é justamente isso que significa o MTTR.

Entre as diferentes coisas que um MTTR pode apontar, podemos citar:

  • A eficiência de uma equipe de manutenção;
  • O estado de conservação de um aparelho;
  • A habilidade de uma equipe em usar um equipamento corretamente;
  • A previsão de perdas de produtividade dentro de uma operação;
  • A necessidade de criar um plano de manutenção preventiva;
  • A necessidade de rever ou expandir uma equipe de manutenção;
  • A necessidade de substituir um equipamento já deteriorado.

Como reduzir o MTTR?

Reduzir o MTTR deveria ser uma grande preocupação de qualquer gestor.

Afinal de contas, ninguém deseja que uma máquina quebrada ou um veículo com problemas atrapalhe o dia a dia da operação?

No final do dia, isso significa que a produtividade é menor e o custo por cada atividade é maior, deixando a empresa em uma situação ruim.

É por isso que acompanhar indicadores de manutenção como o MTTR é importante.

Mais do que apenas contribuir para que os problemas sejam resolvidos mais rápido, o acompanhamento de métricas ajuda a formatar uma cultura de processos na empresa.

E essa cultura de processos é muito importante para ajudar as equipes a se conscientizarem sobre a importância de reduzir as falhas.

Além disso, reduzir o MTTR é importante em um contexto desafiador, no qual os gestores buscam sempre manter suas equipes de manutenção em níveis reduzidos.

Entre as ações que podem ajudar a reduzir o MTTR, há algumas que podemos citar.

Identificação da falha

Uma boa equipe de manutenção deve agir rapidamente para conseguir identificar as falhas existentes nos equipamentos utilizados.

Uma boa forma de fazer isso pode ser a de passar algum tempo categorizando as possíveis falhas de cada equipamento, já planejando os reparos possíveis caso alguma falha surja.

Assim, quando um imprevisto acontecer, é possível reduzir o tempo de reparo, dado que os passos e métodos já estão estabelecidos.

Olhar para o MTTR pode ser importante não só para saber se uma operação está funcionando direito, mas também para avaliar a sua equipe de manutenção!

Criação de padrões

A partir de um certo tempo, é bastante possível que uma equipe de manutenção já esteja familiarizada com as principais falhas existentes na sua operação.

Mais do que apenas já ter uma lista de processos indicada para resolver essas falhas, é possível deixar o time atento às peças que costumam gerar esses problemas.

No caso de veículos, se é comum que sua frota tenha problemas com os pneus, talvez seja bom prestar atenção em ações de manutenção para essas peças.

Manuais de manutenção preventiva

Já dizia o ditado que prevenir é melhor do que remediar, não é mesmo?

Assim, em vez de ficar gastando tempo com manutenções corretivas, normalmente mais caras e demoradas, pode ser uma boa ideia estabelecer um plano de manutenções preventivas.

Dessa forma, é possível que você gaste menos tempo fazendo pequenas correções ou limpezas; além disso, é possível programar essas pausas, sem afetar o MTTR nem a produtividade geral.

Esta publicação te ajudou? Confira essa e outras explicações sobre questões de logística e gestão de frota no blog da Cobli.

Fale com nossos especialistas!

Estamos disponíveis para tirar dúvidas e demonstrar o sistema de rastreamento e monitoramento de frotas da Cobli em ação.

Teste grátis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.