Plano de manutenção: saiba como fazer o seu! 

Se a sabedoria popular pode ajudar a gestão de uma empresa, fazer um bom plano de manutenção é a melhor forma de seguir o ditado que prevenir é melhor que remediar.

Afinal, é muito mais fácil corrigir um problema do que ter que lidar com uma falha inesperada, que pode interromper o dia a dia e atrapalhar as entregas, não é mesmo?

Saber os itens que devem ser verificados, a periodicidade que isso deve ser feito e até o custo da manutenção ajuda muito a operação de uma empresa a ser mais previsível.

E previsibilidade, como você sabe, é um item que ajuda todo mundo a trabalhar com mais segurança e confiança.

Além disso, a boa manutenção ajuda a prolongar a vida útil dos veículos – no Brasil, estima-se que uma frota dure de 9 a 11 anos.

Ganhar um pouco mais de tempo com cada veículo ajuda sua empresa a economizar, não é mesmo?

É por isso que nesse texto, vamos falar um pouco mais sobre planos de manutenção, tipos de planos e também te ajudar a montar o plano de manutenção da sua frota. Vamos nessa?

O que é um plano de manutenção?

Plano de manutenção, como o nome já diz, é uma lista de manutenções e checagens que são necessárias para garantir que um equipamento ou ativo (como um imóvel) esteja funcionando sempre bem.

Você já deve ter ouvido falar em várias manutenções periódicas – como troca de óleo ou revisão dos radiadores, por exemplo.

Ter um checklist das manutenções que devem ser executadas periodicamente nos veículos é muito importante.

Elas fazem parte de um plano de manutenção padrão para diversos automóveis, por exemplo, e podem até funcionar para você, mas é importante pensar nas especificidades da sua operação.

Um bom plano de manutenção, assim, deve ter um cronograma com quais serviços de manutenção devem ser realizados a cada tempo – e no caso de uma frota, detalhar quais veículos precisam seguir o cronograma ou não.

Por que fazer um plano de manutenção?

Há inúmeras vantagens em se fazer um plano de manutenção para a sua frota ou outros tipos de equipamentos.

A seguir, vamos listar algumas delas, incluindo:

  • Redução de falhas e defeitos;
  • Aumento da vida útil dos equipamentos;
  • Evitar gastos desnecessários com consertos e falhas inesperados;
  • Planejar atividades que aumentam eficiência do equipamento;
  • Ter controle de qualidade da manutenção;
  • Criação de processos padronizados;
  • Dar previsibilidade de recursos, prazos e equipes envolvidas no uso do equipamento;
  • Otimização de prazos e entregas;
  • Redução do custo de manutenção;
  • Redução e até eliminação dos acidentes de trabalho.

Quais são os tipos de planos de manutenção?

Existem três tipos principais de planos de manutenção – provavelmente, você já deve ter ouvido falar um pouco sobre eles.

  1. Manutenção preventiva: acontece por meio de intervenções periódicas, pré-determinadas, a cada período determinado ou distância percorrida pelo veículo. Costuma ajudar a reduzir emergências, otimizar a vida útil dos equipamentos e evitar paradas desnecessárias;
  2. Manutenção preditiva: utiliza tecnologia para saber a hora exata de um equipamento passar por manutenção; telemetria e medições de desempenho ajudam a perceber quando o equipamento está perdendo performance, e, portanto, precisa de manutenção antes de quebrar; além de otimizar a vida útil, também otimiza a própria necessidade de manutenção;
  3. Manutenção corretiva: costuma ser a última opção entre os processos de manutenção, tentando corrigir os danos de um equipamento e restaurando suas condições ideais; no entanto, costuma aparecer apenas quando falhas e problemas acontecem, sendo o tipo mais custoso de planos de manutenção.

Com equipamentos que possuem telemetria veicular, a Cobli pode te ajudar bastante a realizar a manutenção preventiva e preditiva, por exemplo.

Como elaborar um plano de manutenção?

Agora vamos começar a organizar seu plano de manutenção – e para começar, você pode baixar esse modelo de cronograma que nós preparamos para te ajudar.

É uma planilha que vai te ajudar a criar um cronograma de manutenção para a sua empresa.

Além disso, há alguns passos que podem ajudar muito sua empresa a elaborar seu plano de manutenção. Vamos falar deles?

1. Mapeie os equipamentos

Antes de começar a pensar na manutenção em si, é importante pensar no que de fato precisa passar por manutenção.

Ou seja: você deve fazer uma lista das máquinas, veículos e equipamentos que utiliza no dia a dia, a fim de identificar as necessidades de cada um.

É importante mapear informações como fabricantes, modelos, especificações, ano de fabricação, identificação única (como o número de chassi) e o local onde estão armazenados ou sendo utilizados.

2. Mapeie os procedimentos

Agora que você já sabe quais são os equipamentos, é importante entender os tipos de manutenção necessários para cada um deles, não é mesmo?

É importante perceber as diferenças, por exemplo, da manutenção necessária para um veículo que utiliza gasolina ou gás natural veicular.

Ou ainda, entender que a revisão de um filtro de óleo de uma moto será um bocado diferente do filtro de óleo de um caminhão.

Em muitos casos, uma boa leitura dos manuais do veículo podem ajudar bastante o gestor de frotas a mapear esses procedimentos.

3. Planeje as rotinas de manutenção

Se o manual do veículo indicar que é preciso trocar o óleo a cada 10 mil quilômetros, é bom você planejar uma rotina de manutenção, criando um calendário.

Não basta apenas saber quanto tempo um veículo leva para rodar 10 mil quilômetros e marcar na folhinha – é também necessário nomear um responsável e elencar quais são os recursos necessários para essa manutenção.

Saber quais equipamentos são necessários para executar seu plano de manutenção vai ajudar muito sua empresa a não perder tempo.

Além disso, é importante também saber a prioridade de cada equipamento dentro da sua operação – assim, os técnicos e gerentes de manutenção vão saber quais veículos devem ser revisados primeiro.

Para elencar essa prioridade, você pode definir atributos como o grau de utilização, a frequência de quebras e até mesmo as perdas de produtos.

Assim, cada veículo vai ter uma nota, que pode ir de A (máxima atenção) a C (apenas manutenção de rotinas são suficientes).

A ideia aqui é que você consiga prever não só o tempo necessário para cada manutenção, mas também os recursos necessários e a equipe que vai tocar essas atividades.

4. Treine a equipe

Ter profissionais habilitados para executar essa manutenção é um passo super importante na vida de uma empresa.

Assim, é importante que os colaboradores estejam cientes das rotinas de manutenção, bem como definir seu papel dentro dessa organização.

Cada empresa atua com um modelo diferente – é possível criar um time de manutenção ou deixar cada colaborador responsável pela manutenção de seu veículo, e é preciso pensar em qual modelo vai funcionar para você.

5. Acompanhe os indicadores

Um bom plano não adianta de nada se você não tiver controle do que estiver realizando, não é mesmo?

Assim, é importante prestar atenção se o seu cronograma de manutenção está funcionando e se ele, de fato, ajudou a reduzir custos e otimizar o uso e a vida útil dos equipamentos.

Para isso, é importante definir algumas métricas, como o tempo ocioso dos veículos ou a redução de acidentes, para entender se o seu plano de manutenção está sendo bem executado.

E agora, que você já sabe como pode executar seu plano de manutenção, o que está esperando? Mãos à obra!

Esta publicação te ajudou? Confira essa e outras explicações sobre questões de logística e gestão de frota em nosso blog.

Fortaleça seu currículo: Curso de Segurança no trânsito para frotas. 100% gratuito, com certificação.
Fale com nossos especialistas!

Estamos disponíveis para tirar dúvidas e demonstrar o sistema de rastreamento e monitoramento de frotas da Cobli em ação.

Teste grátis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.