O papel da psicologia do trânsito para a prevenção de acidentes

A psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano. Para compreender seres tão complexos, possui diferentes áreas, como a psicologia do trânsito, que se dedica a compreender a relação entre o homem, a via e o veículo.

Empresas que possuem frotas de veículos precisam considerar o comportamento dos seus motoristas para garantir uma operação mais segura. Assim, estarão fazendo a sua parte para contribuir para um trânsito melhor para todos.

Nesta publicação iremos explicar o que é a psicologia do trânsito, suas áreas de atuação, funções e importância. Continue a leitura para saber mais sobre o estudo do comportamento humano na condução de veículos.

O que é a psicologia do trânsito?

Muitos dos acidentes que acontecem todos os dias nas vias do Brasil e do mundo são causados por motivos comportamentais, como estresse, cansaço, excesso de autoconfiança, consumo de álcool, uso de celular ao volante e outros.

Segundo dados levantados pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e divulgados pela Agência Nacional, o Brasil ocupa o 5º lugar no ranking mundial de vítimas do trânsito. São 22 mortes a cada 100 mil habitantes, sendo um terço delas de motociclistas.

A área que hoje é conhecida como psicologia do trânsito foi criada através de diversos estudos e pesquisas realizados por profissionais especializados em comportamento humano, relacionando-o aos veículos e às vias.

A psicologia do trânsito tem como objetivo promover a segurança nas estradas.

Psicologia do trânsito no Brasil

Os primeiros estudos relacionando trânsito e comportamento no Brasil iniciaram por volta de 1930, época em que começaram a ser aplicados testes psicológicos nos profissionais que iriam trabalhar nas ferrovias em São Paulo.

Nas décadas seguintes, o país passou por uma expansão na fabricação e comercialização de automóveis. Como consequência, o número de acidentes cresceu, então se observou a necessidade de utilizar instrumentos psicológicos também para a condução de veículos nas rodovias.

Foi assim que, em 1951, o teste psicotécnico se tornou obrigatório no país para avaliar psicologicamente os candidatos à habilitação para dirigir, sendo utilizado até hoje.

Para motoristas profissionais, os testes são realizados a cada renovação da CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

Quais as áreas que a psicologia do trânsito atua?

São três os pilares em que a psicologia do trânsito se baseia, sendo eles: o homem, a via e o veículo. Os estudos são direcionados para a forma como o primeiro se relaciona com os dois outros elementos.

Vale mencionar que o termo “homem” representa todos os indivíduos que compõem o trânsito, ou seja, condutores de veículos automotores, pedestres, ciclistas e também os passageiros.

Nesse contexto, as áreas de atuação dos profissionais que se especializam nesse ramo da psicologia podem ser de pesquisa ou aplicação.

Pesquisa

Na área de pesquisa, o psicólogo do trânsito se dedica a atividades como:

  • Realização de estudos sobre o comportamento humano no trânsito;
  • Análise de dados sobre acidentes;
  • Levantamento das principais causas de acidentes;
  • Desenvolvimento de testes e ferramentas para minimizar essas ocorrências.

Aplicação

Em se tratando da aplicação, as atividades do profissional podem ser as seguintes:

  • Aplicação de testes psicotécnicos;
  • Avaliação de candidatos a vagas para motoristas em empresas;
  • Atendimento clínico voltado para questões relacionadas à condução de veículos;
  • Elaboração de programas educativos para promover a segurança no trânsito.

Funções da psicologia do trânsito

As funções da psicologia do trânsito não se resumem à aplicação de testes psicotécnicos, trata-se de uma área de grande relevância para o entendimento dos comportamentos capazes de gerar riscos e sua prevenção.

Através das pesquisas, as autoridades podem ter conhecimento sobre as principais causas de acidentes e, assim, criar mecanismos para minimizá-los, como: leis, projetos educacionais, aumento da fiscalização, entre outros.

Resumindo, o objetivo da psicologia do trânsito é garantir a toda a população um trânsito seguro, em que condutores, ciclistas e pedestres possam conviver em harmonia nas vias.

O estresse é um dos principais focos dos estudos na área de psicologia do trânsito.

Qual a importância da psicologia do trânsito na gestão de frotas?

Não são apenas os órgãos responsáveis pelo tráfego que devem realizar ações de psicologia no trânsito, as empresas podem e devem considerá-la para uma gestão de frotas mais segura.

Afinal de contas, uma condução inadequada pode gerar danos para os motoristas, a sociedade e o próprio empreendimento, que, além de prejuízos financeiros, terá a sua imagem associada a todos esses problemas.

Se para condutores comuns o estresse no trânsito já é prejudicial, imagine para profissionais que passam horas seguidas conduzindo veículos, com destaque para os de grande porte, como caminhões, ônibus e carretas.

Veja a seguir sugestões de ações que as companhias podem ter para manter a segurança da frota e dos motoristas, acompanhadas dos seus respectivos benefícios.

Avaliação psicológica de motoristas

Além das avaliações obrigatórias para adquirir e renovar a CNH, as empresas podem realizar processos internos de análise psicológica para a contratação de colaboradores.

Outra ação válida nesse sentido envolve o acompanhamento psicológico periódico dos motoristas contratados, contribuindo também para a promoção do bem-estar e satisfação dos profissionais.

Treinamentos

Investir no capital humano é sempre importante para empresas de todos os segmentos e é uma iniciativa que também se aplica à questão das emoções e do trânsito.

Os treinamentos oferecidos aos motoristas podem ter tanto caráter técnico quanto comportamental, incluindo formações de direção defensiva e outras voltadas para o desenvolvimento da inteligência emocional no trânsito.

Os cursos de viés técnico são importantes para dar segurança aos profissionais, pois isso influencia diretamente o modo como eles irão se sentir e agir enquanto estiverem dirigindo.

As formações comportamentais virão como um complemento, auxiliando no controle das emoções, na regulação da autoconfiança e na responsabilidade enquanto parte do trânsito.

Sistema para monitoramento de frota

Embora não estejam diretamente relacionados com a psicologia no trânsito, sistemas para monitoramento de frota possibilitam o acompanhamento contínuo do desempenho de motoristas.

Ferramentas com essa funcionalidade permitem a rápida identificação de comportamentos inadequados ao volante, como o excesso de velocidade. Assim, ações preventivas podem ser aplicadas antes de algo grave acontecer.

Conclusão

A psicologia do trânsito é a área do conhecimento responsável por estudar como as pessoas se relacionam com os veículos e as vias.

Com base em estudos, pesquisas, testes e avaliações individuais é possível compreender os elementos que permeiam esse relacionamento e realizar ações com o objetivo de promover a segurança nas ruas e estradas.

Esta publicação te ajudou? Confira essa e outras explicações sobre questões de logística e gestão de frota no blog da Cobli.

Fale com nossos especialistas!

Estamos disponíveis para tirar dúvidas e demonstrar o sistema de rastreamento e monitoramento de frotas da Cobli em ação.

Teste grátis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.