Tempo de leitura: 11 minutos

Infelizmente, roubos de veículo e de carga são comuns no Brasil. Segundo um levantamento da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC&Logística), em 2018, foram registradas 22 mil ocorrências de roubo de carga nas estradas e rodovias brasileiras. Os prejuízos beiraram R$ 1,5 bilhão. 

Quem se aventura pelas estradas brasileiras ou é dono de frota, seja ela gigantesca ou de poucos veículos, não deve contar apenas com a sorte. É importante se precaver. As chances de evitar um roubo ou recuperar um veículo roubado aumentam consideravelmente se o seu carro ou caminhão estiver equipado com um rastreador. 

Mas você sabe o que é um rastreador veicular? Sabe como esses aparelhinhos funcionam e que benefícios eles trazem? Vamos lá!

O que é um rastreador de carro?

Rastreadores são dispositivos de geolocalização instalados em veículos automotivos, como motos, carros, caminhões e ônibus. Os rastreadores indicam a trajetória e localização do veículo. Alguns deles, quando associados a mais tipos de serviço, ainda fornecem também informações sobre a variação de velocidade, a abertura e o fechamento das portas e indicam as melhores rotas a seguir.

Como funciona um rastreador veicular?

Os rastreadores funcionam, principalmente, de duas maneiras diferentes: por radiofrequência ou via satélite

Os rastreadores via satélite são os famosos GPS, dos quais todo mundo já ouviu falar. GPS é uma sigla, em inglês, para “sistema de posicionamento global”. Os GPS são aparelhinhos que se comunicam com uma rede de 24 satélites espalhados pela órbita terrestre. Esses satélites emitem sinais para os receptores, que são os aparelhos de GPS, que respondem a esses sinais enviando as coordenadas geográficas do veículo. Os satélites são equipados com relógios atômicos extremamente precisos, que conferem o tempo que passou entre a emissão dos sinais e a chegada da resposta do GPS. Com base nesse intervalo de tempo, é possível calcular, com precisão de metros, a localização do veículo.

Agora, se o rastreador funciona por radiofrequência, a transmissão das informações depende de ondas eletromagnéticas captadas por antenas. O alcance das ondas de rádio é menor, porque elas dependem da proximidade com as antenas, mas, ainda assim, a área de cobertura é bastante ampla. Rastreadores via radiofrequência costumam funcionar até mesmo em lugares onde os GPS às vezes falham, como túneis e subsolos.

Quais as vantagens de e desvantagens de cada tipo de rastreador?

A radiofrequência e o GPS têm vantagens e desvantagens diferentes. Vamos conferir: 

GPS

As principais vantagens dos rastreadores via satélite são abrangência da cobertura e a precisão das informações fornecidas. Os GPS são capazes de identificar a localização exata de um veículo e permitem acompanhar seu deslocamento em tempo real.

Apesar da vasta área de cobertura, os GPS podem funcionar mal – ou até não funcionar – em túneis, subsolos, galpões e outros ambientes fechados.

Radiofrequência

As maiores vantagens da radiofrequência são as mesmas do GPS: a área de abrangência e a precisão das informações. Se houver antenas próximas, dificilmente o sinal será perdido, deixando o condutor na mão. Os rastreadores via radiofrequência funcionam até mesmo em túneis e subsolos. 

Como cada rastreador costuma operar em uma frequência específica, dificilmente bloqueadores de sinal (aqueles usados por criminosos para dificultar o rastreamento de veículos roubados) interferem na emissão e na recepção dos sinais. Esses rastreadores também contam com sistemas de segurança que alertam rapidamente a central de controle se identificarem a presença de algum “jammer”, ou seja, de um bloqueador de sinal.

No entanto, a comunicação com as antenas não é constante e automática. Os rastreadores só começam a trocar informações com as antenas depois de receberem algum comando inicial. Além disso, o conteúdo que esses rastreadores são capazes de transmitir é razoavelmente limitado, restringindo-se a dados de longitude e latitude que permitem apenas descobrir a trajetória e a localização do veículo. 

Qual tecnologia escolher?

A resposta para essa pergunta depende da necessidade do usuário. Se você é um consumidor comum, que busca apenas segurança, rastreadores mais simples – aqueles que registram apenas a posição do veículo e podem emitir um alerta caso algo esteja fora do normal – podem dar conta do recado. 

Mas e se quem estiver atrás de um rastreador for uma empresa? Se o negócio dessa empresa demanda por uma tecnologia capaz de fornecer informações estratégicas para melhorar a gestão da frota, o ideal é optar por um GPS.

Agora, se você só quer monitorar os trajetos para reforçar a segurança de seus veículos e motoristas, compensa investir em um rastreador que funcione por radiofrequência.

Quanto custa um rastreador veicular?

Na internet, é possível encontrar rastreadores de carros de todos os preços. Há ainda a possibilidade de pagar mensalmente por um serviço que acompanha em tempo real o deslocamento do veículo. 

Há também os chamados “rastreadores de carros grátis”, oferecidos por seguradoras. Na verdade, eles não são gratuitos, porque o custo está embutido na franquia paga pelo cliente. Também são conhecidos como “rastreadores de carros grátis” os aparelhos vendidos a um preço fixo, sem cobrança de mensalidade. 

Qual a diferença entre rastreamento e monitoramento?

Muita gente confunde rastreamento e monitoramento veicular. Dá para entender a confusão, porque as tecnologias usadas para uma atividade e para a outra podem ser as mesmas (GPS e radiofrequência). Mas tem diferença.

Pense na palavra “rastreamento” e em outras semelhantes, como “rastrear” e “rastro”. O que é “rastro”? São os vestígios que uma pessoa, um animal ou um veículo deixam para trás ao se locomover. Rastrear, então, é observar uma trajetória. O objetivo, portanto, não é acompanhar simultaneamente o deslocamento de um veículo.

Rastrear é coletar e armazenar dados ao longo de um deslocamento para checar se tudo ocorreu conforme o combinado ou se houve algum problema no meio do caminho e o que causou esse problema. A partir da análise desses dados, o gestor vai poder tomar decisões e elaborar estratégias para que tudo continue nos conformes ou para que os problemas sejam resolvidos rapidamente e não se repitam.

E o que é monitoramento?

Monitorar é acompanhar o trajeto em tempo real, passo a passo, do início ao fim, para garantir que tudo saia conforme planejado. Ao monitorar o deslocamento de um veículo, o gestor consegue, por exemplo, conferir se o cronograma está sendo cumprido e até prever o horário da chegada ao destino final.

7 erros ao escolher um rastreador

Fique atento para não errar na hora de escolher um rastreador veicular ou contratar um serviço de rastreamento. Dê uma olhada nas seguintes dicas:

Não pensar nos recursos disponibilizados por cada rastreador

Não adianta escolher o mais barato. É imprescindível conferir se o rastreador conta com recursos capazes de beneficiar seu veículo ou sua frota. Por exemplo: um sensor que indique quando as portas ou o baú do caminhão foram abertos e um bloqueador que permita desligar remotamente o motor em caso de roubo. 

Não avaliar o tempo de atualização das informações

O intervalo de envio das informações – o pulso – pode variar de um dispositivo para outro. É importante saber disso antes de instalar ou plugar o aparelhinho no seu veículo para depois não reclamar que não está recebendo as informações rápido o suficiente.

Alguns rastreadores operam com pulsos distintos, um para quando a ignição está desligada e outro para quando está desligada. Esteja o motor funcionando ou não, quanto menor for o tempo de atualização das informações, melhor.

 Para fazer uma boa gestão de frotas, é recomendável que as informações sejam atualizadas, no máximo, a cada 10 segundos. Se o intervalo de atualização for maior, o gestor pode ficar sem informações suficientes para tomar decisões em situações de urgência.

Se você resolveu instalar um rastreador por segurança, pode optar por um rastreador mais lento, que atualize as informações em intervalos de até alguns minutos, porque o que importa aqui é saber por onde o veículo passou e não reunir o máximo de informações possíveis para melhorar a gestão da frota. 

Ignorar a tecnologia de transmissão de dados

Como vimos acima, os rastreadores funcionam, principalmente, via satélite e via radiofrequência. Cada uma dessas tecnologias tem vantagens e desvantagens. Não adianta comprar um GPS e depois reclamar que ele não funciona em túneis e subsolos por onde sua frota passa com frequência. Também não vale investir em um rastreador que funciona por radiofrequência se a sua prioridade não é segurança, mas obter informações confiáveis para gerir sua frota.

Ignorar as diferenças entre um rastreador que é instalado no carro e um que é plugado

Alguns rastreadores são instalados no veículo; outros são plugados. 

Os rastreadores plugados ainda são pouco populares no Brasil, mas são bons para enganar ladrões. Ao não ver nada instalado, o ladrão pode pensar que não há nenhum rastreador no carro, o que é bom para a polícia. Os rastreadores plugados também têm outros benefícios: o preço é mais baixo e não é necessário pagar pela instalação, pois eles vêm com a função “Plug & Play” (“Conecte e Use”, em português).

Os rastreadores instalados também dão dor de cabeça aos ladrões, porque são mais difíceis de serem desabilitados e retirados do veículo.

Não chamar um especialista para instalar o rastreador

Alguns dispositivos, os “Plug & Play”, são plugados diretamente na entrada OBD do veículo. Nesses casos, você mesmo pode botá-los para funcionar.

Outros dispositivos precisam ser instalados. Instalar qualquer equipamento na parte elétrica do veículo pode levar à perda da garantia e aumentar – e muito – as chances de uma pane elétrica. 

Quando o rastreador não é instalado por um especialista, os riscos são ainda maiores. Uma instalação mal feita aumenta a possibilidade de um curto-circuito no chicote elétrico, pode drenar a bateria do veículo ou, em casos mais extremos, causar um incêndio.

Na hora de instalar o rastreador, procure o suporte de um profissional confiável e experiente.

Não pesquisar sobre custos adicionais

Se preferir contratar um serviço de rastreamento de uma empresa, pesquise primeiro e não assine com a primeiro que encontrar. Lembre-se que você terá que arcar com outros custos além da mensalidade, como a taxa de instalação.

Procure saber se a empresa oferece um pacote de serviços amplo, que cubra manutenção e eventuais reparos no aparelho. Não se esqueça de apurar se a prestadora de serviço aluga o equipamento ou trabalha em regime de comodato (empréstimo gratuito que deve ser restituído). 

Na hora de fechar contrato, escolha uma empresa que não exija períodos de fidelidade muito longos e, se possível, que não cobre multas em caso de rescisão do contrato e cancelamento do serviço.

Não avaliar a qualidade dos componentes do rastreador

Opte por um GPS que venha com um módulo potente, capaz de informar com precisão a localização do veículo. Se comprar um rastreador que funciona por radiofrequência, exija uma antena de qualidade para não ficar não mão, perdendo o sinal toda hora. 

O hardware dos rastreadores – como o dos computadores, por exemplo – também ficam ultrapassados com o tempo e precisam ser atualizados para maximizar sua capacidade de processamento.

Esteja sempre atento à relação custo-benefício na hora de desembolsar dinheiro com um rastreador veicular.

Como um rastreador pode ajudar a sua frota?

Agora que você já sabe o que são e como funcionam os rastreadores veiculares (e também como não errar na hora de comprá-los), veja como eles podem ajudá-lo a gerir melhor sua frota:

Acompanhe o deslocamento do seu veículo

Como informam a localização dos veículos, os rastreadores são extremamente úteis aconteça algum imprevisto ou alguma tragédia, como roubo ou sequestro. Como vimos, alguns rastreadores permitem até intervenções remotas, como bloqueio da bomba de combustível se alguma movimentação estranha for detectada, como uma parada longa sem nenhuma razão aparente ou um desvio de rota.

Planeje melhor suas rotas

Um bom rastreador é uma mão na roda na hora de planejar uma viagem, pois informa sobre as rotas mais acessíveis e avisa sobre áreas interditadas. Também ajuda a programar paradas estratégicas para o abastecimento do veículo e descanso do motorista. Rotas bem planejadas resultam em economia de tempo e em serviços prestados com mais rapidez.

Economize

O seguro de veículos equipados com rastreador costuma ser mais em conta, até 30% mais barato. As diversas informações fornecidas por um rastreador também permitem planejar melhor todo o processo, identificar gastos desnecessários e ainda ajudam a programar as manutenções e revisões do veículo, evitando despesas que não estavam previstas no orçamento.

Melhore sua gestão de frota

Com base nas informações fornecidas pelos rastreadores, você vai entender melhor o que está funcionando o que não está: se as rotas escolhidas são realmente as melhores, se o cronograma está sendo cumprido, se os motoristas estão dirigindo corretamente, etc. Ao analisar essas informações, você vai poder elaborar estratégias inteligentes, capazes de aprimorar ainda mais o que já está funcionando e corrigir o que está dando problema.

Esta publicação te ajudou? Acesse nosso site, descubra nossas soluções personalizadas e como a gente pode te ajudar! Confira também outras explicações sobre questões de logística e gestão de frota em nosso blog. Você também pode entrar em contato com um de nossos atendentes pelo (11) 4810-2200 ou pelo euquero@cobli.co.

Rastreamento de frota 1 - O que é e como funciona um rastreador veicular?

Escreva um Comentário