Post atualizado em

O quinto mês do ano é um momento importante para empresas que trabalham com a gestão de frotas, pois elas têm a oportunidade de promover o Maio Amarelo. Esse é um movimento de alcance global que propõe um debate a favor da conscientização da segurança no trânsito.

Infelizmente, a campanha se justifica por conta de dados alarmantes: o Brasil, por exemplo, é o quinto país do mundo em mortes no trânsito, segundo a OMS. Logo, a proposta do movimento é alertar a sociedade sobre os perigos que escolhas irresponsáveis podem causar nas vias de todo o mundo.

A ideia central é a de estimular a todos os condutores, seja de caminhões, ônibus, vans, automóveis, motocicletas ou bicicletas, e aos pedestres e passageiros, a optarem por um trânsito mais seguro.

O Maio Amarelo nos relembra que “os acidentes não acontecem, mas sim são frutos de escolhas inadequadas e arriscadas”. Que tal se inspirar em nossas ideias e criar algumas ações para impulsionar esse programa? Conheça 6 formas criativas e interessantes de fazer isso na sua empresa!

1. O jogo das escolhas

O jogo das escolhas é uma ideia de brincadeira simples e divertida para promover o Maio Amarelo e, da mesma forma, uma reflexão sobre o impacto de nossas condutas em um contexto maior no trânsito.

Tudo começa com um grupo de voluntários animados que topem conduzir a ação. Confira o passo a passo para fazer o jogo:

  1. Comece preparando o material: você precisará de algumas perguntas sobre segurança no trânsito. Escrever cada uma em fichas separadas facilita na hora da brincadeira
  2. Além disso, crie um semáforo relativamente grande e colorido com cartolina para surpreender os passantes
  3. Escolha um lugar de passagem, mas evite um local que atrapalhe as atividades da instituição. Um bom exemplo é a saída do refeitório ou restaurante;
  4. No dia da ação, reúna todos no local, preferencialmente vestidos de amarelo. Leve o semáforo e outros itens festivos como bexigas, apitos, cornetas, entre outros. Use a criatividade
  5. Aborde os colegas que estão passando de forma animada e descontraída e convide-os para participar do jogo. Diga que, para seguirem em frente, devem responder 1 ou 3 perguntas — limite a quantidade para não atrapalhar a rotina de trabalho do colega ou prolongar demais a brincadeira
  6. Faça as perguntas e dê alternativas de resposta. Confira um exemplo: você está no carro e seu chefe liga insistentemente no celular. O que você faz? a) manda, na mesma hora, uma mensagem dizendo que não pode falar agora, b) atende, c) procura um local seguro para encostar o carro e retorna a ligação
  7. Se um colega escolher uma decisão adequada — no exemplo acima, a letra “c” — parabenize a pessoa e faça uma festa com as cornetas, apitos e aplausos. Não deixe de reforçar porque aquela é a melhor conduta a ser tomada
  8. Caso a pessoa selecione uma opção mais arriscada, reaja com tristeza, mas tome cuidado para não expor o colega. Explique que essa decisão pode ter consequências negativas e comente qual é a atitude mais indicada nesse caso
  9. Independentemente da resposta, agradeça a participação do colega e o presenteie com um laço ou fitas amarelas, para que ele possa lembrar da importância do movimento
  10. Por fim, não se esqueça de registrar a ação. Tire fotos e grave trechos do jogo para divulgar nas redes sociais e, desse modo, atingir e inspirar mais pessoas

2. Painel colaborativo

Decore um local movimentado da empresa com um grande painel em amarelo. Nele, lance uma pergunta como “o que torna o trânsito mais seguro e como você, motorista, pode contribuir para isso?”. Deixe canetas ao lado do painel e incentive pessoas a compartilhar suas ideias e deixar uma contribuição.

3. Dia de vestir amarelo

Escolha um dia — ou dias, por exemplo, toda sexta-feira — e convide todos os funcionários a irem para o trabalho vestindo peças amarelas. A ideia é causar um burburinho: muitas pessoas vão ficar curiosas sobre o porquê das roupas amarelas e, ao saber dos motivos, podem se animar e aderir ao movimento.

Para espalhar ainda mais a informação pelos setores, incentive o uso da hashtag da campanha #NosSomosOTransito nas redes sociais tanto dos colaboradores como as da empresa.

No fim, colete todas as fotos e materiais produzidos ao longo das semanas e crie uma apresentação ou vídeo para eternizar as iniciativas tomadas no mês. Esse material pode ficar acessível e circular na rede interna.

Isso ajuda a reforçar para as pessoas a mensagem de que elas devem fazer escolhas responsáveis no trânsito ao longo de todo o ano!

4. Bexigas no escritório

O símbolo do movimento, a cor amarela, pode ser usado para dominar a decoração do escritório e, assim, promover o Maio Amarelo. Amarre bexigas de gás hélio — aquelas que permanecem de pé, flutuando — em cada estação de trabalho. Assim, é possível chamar ainda mais atenção para o tema de uma forma criativa.

5. Laços amarelos

Semelhante ao uso das vestimentas amarelas, distribua também laços amarelos com alfinetes para que cada colaborador possa prendê-lo diariamente em suas roupas. Assim, dificilmente alguém se esquecerá da intenção central da campanha e sua importância.

Além do mais, a presença do laço certamente vai despertar o interesse das pessoas fora da empresa, que, por ventura, encontrem seu colaborador no restaurante ou na rua. Desse jeito, o laço ajuda a propagar informação sobre o assunto.

6. Uso do material gráfico oficial

O Maio Amarelo possui um website oficial, no qual você encontra uma série de materiais gráficos com o logo do movimento para uso e download gratuito. Assim, você pode espalhar essas artes de forma impressa no espaço físico da empresa, usar o papel de parede nos computadores, entre outras ideias.

O programa possui inclusive uma loja virtual. Assim, se você decidir promover o Maio Amarelo por meio de uma competição em equipes mais elaborada ou premiar a participação de alguns colaboradores, você encontra nessa página uma grande variedade de brindes com a cor, o símbolo e logo do movimento, alguns com preços bem em conta como pins, chaveiros, squeezes e adesivos.

Promover o Maio Amarelo é uma iniciativa importante, principalmente, para empresas de transporte e logística. Afinal, a movimentação viária é algo que compõe a parte central de seu negócio e a segurança é fundamental para garantir o sucesso dos processos de distribuição. Portanto, não deixe de aproveitar a chance de apoiar esse programa e contagiar seus colaboradores com a relevância desse tema!

Maio Amarelo: os maus hábitos do motorista ao volante

Maio Amarelo

Como sabemos, os problemas relacionados a infrações no trânsito não ocorrem somente no Brasil, mas em praticamente todo o mundo. Porém, os brasileiros ainda continuam encabeçando rankings de acidentes causados por falha humana e por isso estamos entre os que mais apresentam ocorrências e infrações no trânsito.  “Nós não temos muitas campanhas e a pouca fiscalização é realizada de forma inadequada. Precisamos melhorar muito tudo isso para termos bons resultados. Apoio o Maio Amarelo, mas alguns pontos, principalmente relacionados a conscientização da população precisam ser revistos. Os modelos de fiscalização também precisam de atualização. Para resolver o problema temos que colocar a mão na massa e as penalidades devem ser mais severas” conclui o professor Duarte.

Por que maio?

Por que este é o mês escolhido para a realização da campanha Maio Amarelo? Foi determinação da Organização das Nações Unidas (ONU), que em maio de 2011 decretou a Década de Ação para Segurança no Trânsito.  A cor amarela tem referência ao alerta do semáforo: atenção!

Maio é o mês da conscientização de segurança no trânsito, mas a atenção e os cuidados ao dirigir um veículo devem ser constantes!

Além de promover um ambiente consciente em sua empresa, há outros pontos importantes de alerta durante o Maio Amarelo no dia a dia. Confira:

Como identificar um carro seguro?

Muito se fala sobre direção segura, infrações de trânsito etc. Você sabe o que é preciso para dizer se um carro oferece segurança e quais os itens que merecem atenção no momento da compra?

As propagandas de carros veiculadas na TV costumam destacar o conforto. Eles alardeiam desde tecnologias em computadores de bordo, como reconhecimento de voz para a realização de algumas ações, até o silêncio do motor. Mas, além de todos esses itens que enchem os olhos, é preciso pensar em funcionalidades mais práticas. Afinal, não adianta ter um carro lindo e moderno que coloca em risco a vida de seus ocupantes.

Caso você esteja pensando em trocar de carro, vale a pena consultar o ranking dos 10 carros campeões de segurança no Brasil, divulgado recentemente pelo Programa de Avaliação de Veículos Novos para a América Latina e o Caribe – Latin NCAP, entidade que avalia e qualifica diversos modelos e marcas de veículos, em níveis de proteção. Para chegar aos resultados são avaliados itens como freios e sistema elétrico e também funções como a fixação das cadeirinhas infantis.

O que considerar no momento da compra de um veículo?

Seja o carro zero ou seminovo, a dica é procurar o máximo de informações, além de ficar atento às dicas de especialistas do segmento automotivo para evitar problemas futuros.

Para que não haja erro é sempre bom realizar o test drive oferecido pelas agências e, se possível, antes de ir até uma concessionária, fazer uma pesquisa sobre tudo o que o veículo oferece relacionado à segurança e tê-los na ponta da língua (ou anotado em uma colinha) para conferir no momento da compra.

“Se a pessoa não tiver conhecimento é importante levar um mecânico de confiança para fazer a avaliação do carro que pretende comprar. Caso não tenha esse profissional disponível no momento há empresas que prestam esse tipo de serviço de consultoria e inspeção”, diz Arthur Igreja, especialista em Inovação e Tecnologia e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV). “Aconselho pesquisar, em fóruns na internet, os problemas mais comuns que a marca do carro escolhido costuma apresentar. Eu passei por uma situação gravíssima com um modelo que julguei ser confiável porque era importado. Só consegui saber depois, por meio das páginas de discussões, que aquele determinado modelo e ano do carro que eu havia comprado apresentava tais problemas com frequência”.

Além dos fatores de segurança mecânica, o especialista alerta para questões relacionadas à documentação, principalmente nos casos de seminovos ou usados. “Todo o histórico deve ser exigido para consultas sobre a situação real do automóvel”, afirma. Arthur indica o Registro Nacional de Veículos Automotores (RENAVAM) como uma fonte importante e segura para checar se o carro está totalmente regularizado, houve algum sinistro ou esteve envolvido em um acidente grave. Também deve ficar registrado se o dono anterior levou o carro para fazer as manutenções em oficinas paralelas, com informações sobre quando, onde e o quê foi realizado.

Check List para não errar!

O ideal é fazer um raio-x mesmo. Então, preste atenção na situação de:

Dependendo do modelo do carro, ele já sai da fábrica com manutenção programada, oferece informações sobre o tempo de vida útil dos pneus e data indicada para a troca.

“Dependendo do fabricante, os itens são de altíssima qualidade e muito sensíveis. Uma falha em algum deles pode levar a um risco real de segurança. Por isso, é imprescindível a utilização de peças originais para manter a condição de equilíbrio do veículo evitando assim, problemas futuros”, explica Arthur.

Também devemos checar a documentação e situação real do carro. Isso pode ser feito junto a órgãos oficiais como o Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo – DETRAN. “Nunca se esquecer de conferir o número de série do carro. Se não estiver de acordo, significa que ele foi ‘maquiado’ porque passou por algum problema e o proprietário anterior tentou esconder”, pontua o especialista.

Se tudo estiver em estado de conservação apropriado e ainda com o aval do seu mecânico de confiança: sinal verde para efetuar compra. A partir daí, é importnate manter as manutenções em dia, e usar peças  de qualidade.

Ranking Latin NCAP dos 10 carros mais seguros vendidos no Brasil

O programa Latin NCAP listou os 10 carros mais seguros que são vendidos no Brasil. Todos foram testados e receberam diversas estrelas no quesito segurança para condutores e demais ocupantes dos veículos, incluindo as crianças.

Confira o ranking:

  • Volkswagen T-Cross
  • Volkswagen Polo
  • Volkswagen Virtus
  • Volkswagen Golf
  • Toyota Corolla
  • Chevrolet Cruze
  • Fiat Toro
  • Mitsubishi Eclipse Cross
  • Toyota Yaris
  • Nissan Kicks

Confira detalhes sobre as avaliações e testes estão disponíveis no site do programa.

Fator humano é causa de mais de 90% dos acidentes de trânsito

Retocar o batom, guiar somente com uma das mãos, dar aquela conferida nas mensagens no celular… Além de infrações de trânsito, esses comportamentos que parecem tão inocentes também são responsáveis por grande parte das ocorrências envolvendo veículos.

Segundo relatório produzido no final de 2018, pelo Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo (Infosiga SP), 94% dos acidentes com registros de óbitos foram causados por falha humana. Por sorte, dados do primeiro trimestre deste ano apontam certa melhora com queda no percentual, mas ainda falta muito para a população entender a importância de se reeducar no trânsito.

Rastreamento pode contribuir na prevenção de acidentes?

Já sabemos que ainda temos alguns problemas relacionados à questão da educação no trânsito, mesmo a população tendo acesso a todo o tipo de informação, incluindo as campanhas educativas pontuais como as que são reforçadas neste mês com o movimento internacional de conscientização Maio Amarelo. Este ano, o tema em destaque é: “No trânsito, o sentido é a vida”. A iniciativa tem ações de alerta em parceria com empresas, poder público e população em geral. Mesmo assim, os índices apresentam acidentes fatais, principalmente a cada feriado prolongado e nos grandes centros urbanos com circulação intensa de veículos.

Diante desse cenário, algumas soluções disponíveis no mercado como o rastreamento veicular é uma opção entre as ferramentas que, além de indicar a localização do veículo ou de que forma o condutor está dirigindo (incluindo informações sobre velocidade) podem contribuir para a baixa nos índices de acidentes envolvendo veículos de todos os portes em uso particular ou comercial.

Outro ponto importante para quem adotar o rastreamento é o controle de manutenção do veículo. Assim, não há como deixar de fazer os ajustes necessários e no período certo evitando falhas durante uma viagem ou percurso diário. Empresas de diversos segmentos e tamanhos estão adotando o rastreamento de seus veículos e já apontam resultados positivos em todos os quesitos, incluindo a redução no número de acidentes e economia em manutenção e combustível. Por meio de apontamentos em relatórios e análises é possível gerenciar e garantir a direção segura.

Leia também: As boas práticas de um motorista: como dirigir da melhor forma

Maio Amarelo: fator humano é causa de mais de 90% dos acidentes de trânsito

Infrações e penalidades

Abaixo, alguns exemplos de infrações que os motoristas mais cometem no dia a dia e respectivas punições previstas, de acordo com informações publicadas no portal oficial do Governo do Estado de São Paulo, em dezembro de 2018:

Infrações Médias

  • Arremessar água ou detritos em pedestres. Punição: 4 pontos na CNH e multa de R$ 130,16;
  • Dirigir usando uma mão, fumando ou acionar equipamentos e acessórios do veículo. Punição: 4 pontos na CNH e multa de R$ 130,16.
  • Conduzir o veículo com calçados inadequados para tal (chinelos e sandálias soltas, saltos altos e tamancos). Punição: 4 pontos na CNH e multa de R$ 130,16.
  • Transportar animais à esquerda do motorista ou no colo. Punição: 4 pontos na CNH e multa de R$ 130,16.

Infração grave

  • Não acionar o limpador de para-brisa durante a chuva ou conduzir com o para-brisa sem condições de uso. Punição: 5 pontos na CNH e multa de R$ 195,23.

Infração gravíssima

  • Dirigir utilizando o celular. Punição: 7 pontos na CNH com multa de R$ 293,47.

Os maus hábitos do motorista ao volante

Sabe aquela frase “vou tomar só uma porque ainda tenho que dirigir!”? Pois é, essa dose “inocente” pode resultar em um acidente com vítimas fatais. Mas esse é apenas um dos comportamentos que podem ser muito perigosos para quem está dirigindo ou vai pegar o volante em breve. Que tal aprendermos a nos atentar a hábitos que podem fazer toda diferença no final de uma viagem?

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgados no final de 2018 apontaram que o Brasil ocupava o quarto lugar em acidentes de trânsito  — a cidade de São Paulo aparece com maior número de ocorrências com óbitos. Segundo o relatório, mais de um milhão de pessoas, em todo o mundo, morrem no trânsito a cada ano.

Na maioria dos casos , os acidentes são causados por falhas humanas aparentemente bobas. Ou seja, pessoas que dirigiram cometendo alguma infração de trânsito. “O ato de dirigir envolve 1500 habilidades, desde destreza dos movimentos e gestos que exigem força muscular – como pisar no freio, na embreagem, fazer manobras –, e mental de avaliação, risco, e percepção de situações”, alerta David Duarte, especialista em Trânsito e membro do Instituto Brasileiro de Segurança no Trânsito (IST). “O cenário do trânsito está sempre mudando. Tudo é dinâmico e envolve outras pessoas, veículos e animais em movimento. Ele muda a cada instante. Logo, qualquer tipo de distração pode ser fatal!”, diz.

Qualquer tipo de distração, seja em segundos irá desviar a atenção da direção por alguns segundos e pode causar acidentes fatais. Segundo Duarte, se um condutor que está a 60km/h der uma olhada de 3 segundos, na mensagem que acabou de chegar no celular, ele terá percorrido mais de 50 metros às cegas, levando em consideração que a cada segundo, um veículo percorre cerca de 17 metros, nesta velocidade.

“A situação na frente dele pode mudar, no exato momento de checar quem enviou uma mensagem para o seu celular, dar uma mordida em um sanduíche ou ainda colocar canudo em um refrigerante”, afirma o especialista. Uma criança pode atravessar a via, um carro pode frear, um semáforo pode fechar, entre outras ocorrências que levam segundos para acontecer. “O motorista não deve dar margem a distrações, porque o cenário é extremamente mutante a todo o instante. É preciso ficar o tempo todo ligado no que pode acontecer”, alerta.

Leia também: As boas práticas de um motorista: como dirigir da melhor forma


1 Comentário

Escreva um Comentário