Integração de dados: como ela pode ajudar sua frota

Integração de dados: como ela pode ajudar sua frota

Você já parou para pensar que tudo que nós fazemos hoje em dia é um tipo de geração de informação

De uma simples compra, ao tempo que gastamos em uma atividade, tudo pode ser um dado útil para entender a nossa realidade? 

Agora adapte isso ao dia a dia de uma empresa, cujas atividades devem ser cada vez mais azeitadas para uma melhor eficiência. 

Como fazer isso é uma pergunta que se torna cada vez mais frequente na cabeça dos gestores? 

Uma das formas que a tecnologia permite que isso aconteça é o uso crescente da integração de dados: a junção de informações entre diferentes áreas, processos e situações.

Com a integração de dados (e muitas vezes, de bancos de dados), uma empresa se torna capaz de entender as relações entre processos, com uma visão tanto específica quanto universal, permitindo a melhora desses processos

Quer entender como isso funciona? Então leia esse texto, que também traz informações a respeito das vantagens da integração de dados e de como ela pode ser usada na sua companhia e na sua frota. 

Vamos lá? 

O que é integração de dados? 

Integração de dados não é uma tática nova, muito pelo contrário. 

Ela consiste em reunir dados de diferentes fontes de modo a produzir um cenário relevante, proporcionando uma visão mais consistente acerca de uma organização. 

Com a integração de dados, é possível unir as informações em um só lugar, buscando melhorar os processos, reconhecer falhas e também acertos. 

Pense em uma indústria, por exemplo: reunir informações sobre o estoque, o ritmo de produção e as vendas não são nada novo. 

Pelo contrário: é algo extremamente antigo e que, caso não fosse utilizado, não deixaria a empresa parar de pé. 

No entanto, conforme as empresas evoluem, mais e mais informações são produzidas e também se tornam necessárias, de maneira que uma simples caderneta, planilha ou anotações humanas não são suficientes. 

É aí que entra a tecnologia: com apoio de bancos de dados, de algoritmos, e mais recentemente, de técnicas como big data, é possível dar conta de um sem número de informações, produzindo diagnósticos a respeito da situação de uma empresa. 

Até porque é importante adicionar: uma boa integração de dados não compreende apenas a captação, mas também o armazenamento e a exibição dessas informações de forma padronizada e coerente, sempre com segurança. 

Como funciona a integração de bancos de dados? 

Para realizar uma integração entre dados, é preciso antes de tudo entender como os dados são gerados. 

Por exemplo: se toda vez que há um pedido de compra, uma nota fiscal é emitida, então a nota fiscal é um dado. Um conjunto de notas fiscais de uma empresa pode constituir a criação de um banco de dados. 

Outro exemplo de bancos de dados pode surgir a partir das fichas de fornecedores e da chegada de materiais para a confecção de uma mercadoria.

A integração desses três bancos de dados — notas fiscais, fichas de fornecedores e chegada de materiais de uma mercadoria — pode ajudar uma empresa a entender a relação entre a venda de seus produtos e a demanda que tem por matéria-prima. 

Antigamente, isso tudo era feito à mão, mas hoje é possível automatizar as tarefas, associando técnicas e processos, que podem ser gerenciados. 

Um bom sistema de integração de dados pode armazenar informações e criar relações entre elas, independentemente de onde as entradas são realizadas. 

É assim que os dados são então apresentados e gerenciados todos em um único lugar.

Hoje, diversas empresas vendem softwares que realizam não só a confecção dos bancos de dados, mas também sua integração. Há, no entanto, até maneiras mais modernas de lidar com isso, como se verá ao final deste texto. 

Quais são as vantagens de integração de dados para as empresas? 

Fazer uma boa integração de dados pode trazer muitas vantagens para uma empresa. 

Uma delas é a de ajudar que a “peteca nunca caia”, evitando que um processo ou problema aconteça por falta de informação trocada entre duas áreas. 

Além disso, a integração de dados também ajuda que a empresa tenha mais transparência, evitando desperdício, desvios e ineficiências

A integração de dados também permite a uma companhia se tornar mais veloz, dado que não é preciso gastar tanto tempo trocando informações entre áreas, coletando-as ou mesmo pensando em formas para apresentá-la de maneira razoável. 

Com mais rapidez, menos ineficiências e melhor comunicação, dois efeitos colaterais de uma boa integração de dados podem resultar em custos menores e clientes mais satisfeitos. 

Como a integração de dados pode ocorrer numa empresa de frotas? 

Em uma empresa de frotas, por exemplo, isso pode acontecer de diversas formas. 

Uma boa integração de dados entre, por exemplo, os bancos de dados das jornadas de trabalho dos motoristas e o de entregas a serem realizadas pode permitir que a empresa destine as entregas de maneira otimizada. 

Assim, por exemplo, motoristas podem não ficar sobrecarregados de maneira desigual e terem todos sua jornada respeitada. 

A integração entre os pedidos de entrega e uma base de dados que rastreia o movimento dos veículos, por sua vez, pode ajudar a empresa a lidar com a ansiedade dos clientes, informando prazos mais corretos e eventuais problemas. 

Uma boa integração também pode permitir à empresa entender quais veículos e motoristas são mais eficientes, fazem rotas mais produtivas ou até mesmo têm clientes mais satisfeitos. 

Quais são os tipos de integração que podem ser feitas em um sistema de gestão com frotas? 

Como mencionamos acima, há diversos tipos de integração que podem ser feitos em um sistema de gestão com frotas. 

É possível integrar o sistema das frotas ao estoque da empresa, às notas fiscais de pedidos realizados e ao sistema de jornada de trabalho realizada pelos motoristas

O sistema de frotas também pode estar integrado a bancos de dados que estão fora da companhia. 

Um exemplo bom são sistemas de mapas e gerenciamento de trânsito, que dão visibilidade ao gestor de frotas sobre a situação atual de seus veículos. 

Outro exemplo é uma integração que a própria Cobli permite dar a quem contrata seus serviços: no sistema da empresa, há uma integração com os sistemas de Alelo e Sodexo, facilitando a vida de motoristas e transportadores que usam esses benefícios. 

Assim, é possível cruzar os dados de um motorista que faz uma pausa para almoço e o uso dos cartões, dando eficiência e segurança para todos os lados. 

Outro exemplo de integração que a Cobli — e muitas empresas fazem são as chamadas APIs, uma evolução das integrações de bancos de dados tradicionais. 

O que é API? 

Sigla em inglês para interface de programação de aplicações, a API é uma forma nova e cada vez mais comum que as empresas lidam com seus bancos de dados. 

Em vez de lidarem com sistemas fechados, em que a integração de bancos de dados pode ser difícil e custosa, cada vez mais empresas têm usado APIs para fazer seus sistemas “conversarem” com os de outras empresas. 

Fazendo uma comparação, uma API é um banco de dados com “plugues” abertos para qualquer empresa que desejar se conectar àquela base. 

Assim, ao usar uma API,  a Cobli consegue fazer uma integração mais eficiente com os sistemas de seus clientes, reduzindo o trabalho de equipes de TI (Tecnologia da Informação) nos parceiros. 

Usar uma API (ou um conjunto de APIs) dentro de uma operação de logística pode ser algo muito importante. 

Com uma boa integração, é possível que um sistema já destine qual será o motorista responsável por uma entrega no instante em que o cliente faz uma compra online, por exemplo. 

Se você quiser saber mais sobre como a Cobli pode ajudar sua operação de maneira moderna, vale a pena conversar com a gente.

Esta publicação te ajudou? Confira outras explicações sobre questões de logística e gestão de frota.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *