RCM: saiba como funciona a manutenção centrada na confiabilidade

Desenvolvido pelo exército americano para prolongar a vida útil de seus equipamentos de forma barata e eficiente, o RCM ou Manutenção Centrada na Confiabilidade é uma ferramenta importante para o funcionamento de uma empresa.

Empregado especialmente na indústria, o RCM tem como premissa a realização de uma manutenção estruturada que vai garantir a produtividade plena da organização, bem como reduzir o custo de vida de um ativo.

Seus benefícios são inúmeros, pois além de manter a cadeia produtiva a pleno vapor, ainda é capaz de auxiliar na prevenção de acidentes de trabalho, uma vez que garante o funcionamento correto de máquinas e equipamentos.

O RCM e a manutenção preditiva caminham lado a lado para que as operações não sejam afetadas de modo a impactar a produtividade da companhia. Para se ter uma ideia de como este tipo de política é utilizado em grandes indústrias, a Petrobras revelou ter investido cerca de R$2,3 bilhões em paradas preventivas de manutenção de suas refinarias somente em 2021.

Se você quer conhecer mais sobre o conceito de RCM e ver dicas práticas de como aplicar esta estratégia em sua empresa, siga com a leitura e acompanhe as informações a seguir.

O que é a sigla RCM?

A sigla RCM significa Reliability Centered Maintenance ou Manutenção Centrada na Confiabilidade, traduzindo para o português.

Esta é uma das principais ferramentas de gestão de manutenção e pode ser aplicada em qualquer tipo de indústria e empresas, como aquelas que possuem frotas.

Sua aplicação contribui para que os gestores tenham um norte sobre que tipo de manutenção é a mais adequada para ser implementada. Dessa forma, é realizada uma análise que vai indicar a criticidade de cada máquina e, assim, destinar os esforços de um reparo corretivo ou preditivo nos equipamentos.

Mas qual o objetivo do RCM? Algumas de suas funções são evitar custos de falhas que podem ser prevenidas e reduzir o LCC – Life Cicle Cost ou custo do ciclo de vida do ativo, em português. Veja mais detalhes sobre seu papel no tópico a seguir.

O que é RCM na manutenção?

O RCM na manutenção é capaz de gerar uma economia substancial para a empresa por sua influência no custo do ciclo de vida do ativo, neste caso de máquinas ou de uma frota.

De forma geral, o LCC representa a soma de todos os custos de um equipamento, levando-se em consideração sua especificação, instalação, operação, manutenção e também seu descomissionamento, desinstalação até chegar em seu descarte.

Ou seja, toda a vida útil do maquinário ou de um carro deve ser contabilizado nas despesas de uma empresa.

E como o RCM vai atuar para diminuir o valor do LCC? Neste caso, a estratégia vai direcionar o tipo de manutenção que deve ocorrer em cada equipamento de maneira individual, respeitando sua especificidade e grau de complexidade na cadeia produtiva.

A ideia primordial é reduzir ou até mesmo eliminar a chance de uma falha acontecer, bem como diminuir sua gravidade.

Além disso, com o RCM a confiabilidade de antecipar problemas tem ainda a capacidade de aumentar a possibilidade de detectar uma falha em estágio inicial e, com isso, solucionar a questão antes mesmo dela impactar a cadeia de operação.

A estruturação do RCM permite antecipar falhas nos equipamentos e programar sua manutenção de forma otimizada.

Como estruturar a RCM?

Mas como implementar a Manutenção Centrada em Confiabilidade em uma empresa? O RCM tem fórmula ou um processo simplificado?

É claro que a resposta para estas perguntas não é simples, contudo, existem algumas etapas que devem ser consideradas para estruturar esta estratégia em uma companhia e criar um relatório de manutenção efetivo.

Veja a seguir alguns passos que são essenciais nesta jornada:

Faça a seleção dos equipamentos

O passo inicial é mapear todos os equipamentos e ativos que entrarão no processo de RCM. Esta lista deve levar em conta as considerações e indicações das áreas financeira, jurídica e de segurança da companhia. Faça uma lista completa elencando o nome e modelo de todos os ativos.

Aponte as funções dos equipamentos

Nesta etapa, é necessário indicar com riqueza de detalhes a função de cada equipamento que foi listado. Por meio de uma descrição qualitativa e quantitativa, informe as tarefas executadas pela máquina e qual o seu papel dentro da operação.

Identificação de falhas funcionais

Outro passo importante para a estruturação do RCM, a identificação de falhas funcionais dos equipamentos permite saber quais são os possíveis problemas que podem gerar a paralisação ou quebra do maquinário.

Assim, o gestor conseguirá elencar as falhas que vão afetar seu funcionamento e impactar a linha de produção.

Aponte modos de falhas e suas consequências

Nesta etapa acontece a análise de como as falhas podem acontecer e quais são os efeitos que elas vão provocar nas operações.

Dessa maneira, é indicado elencar as peças vitais para o funcionamento de cada equipamento; em seguida, analisar a falha em si, identificando como ela se apresenta, sua causa e também sua consequência; e por fim, fazer uma avaliação de risco desta falha, apresentando sua ocorrência, severidade e probabilidade de ser detectada com antecedência.

Faça uma escala com a pontuação de cada equipamento, assim fica mais fácil saber quais merecem maior atenção.

Ao implantar o RCM, é possível identificar o tipo de manutenção que cada equipamento deve receber.

Selecione as demandas de manutenção

Neste momento, a gestão deve sinalizar que tipo de manutenção cada aparelho deverá receber periódicamente.

Aqueles que não apresentam risco ou consequência para o processo podem ser listados para a aplicação de manutenção corretiva. Já os equipamentos com desgaste e padrões de falhas conhecidos se encaixam no quadro de manutenção preventiva.

Enquanto isso, as máquinas que apresentam alta criticidade e para falhas aleatórias, o melhor caminho é a manutenção preditiva. Com tudo isso alinhado, fica mais simples para o funcionário seguir uma ordem de serviço detalhada e objetiva, evitando erros e otimizando o tempo.

Revisão e avaliação periódica

A estratégia de RCM deve ser revisada e avaliada constantemente com o objetivo de identificar melhorias e oportunidades para o processo de manutenção.

Para isso, é necessário que reuniões e discussões sejam realizadas com frequência, ouvindo diferentes áreas, especialistas e funcionários que lidam com as máquinas diariamente, criando um plano de manutenção eficiente.

Quando o processo de RCM é estruturado de maneira concreta e levando em consideração os passos apresentados anteriormente, as falhas nas operações são minimizadas e, com isso, a produtividade e lucratividade da empresa não são afetadas com paralisações recorrentes.

Esta publicação te ajudou? Confira essa e outras explicações sobre questões de logística e gestão de frota no blog da Cobli.

Fale com nossos especialistas!

Estamos disponíveis para tirar dúvidas e demonstrar o sistema de rastreamento e monitoramento de frotas da Cobli em ação.

Teste grátis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.