manutenção do caminhão

[GUIA] Manutenção de caminhão: como fazer, tipos e boas práticas

Caminhões são o ganha pão de muitos trabalhadores e patrimônios valiosíssimos de muitas empresas. Muito do trabalho depende do bom funcionamento deles. Por isso, é importante nunca descuidar da manutenção do caminhão. 

Se você quiser desviar dos prejuízos e não perder negócios, cuide bem do seu veículo. Um estudo realizado pelo Instituto da Qualidade Automotiva concluiu que as revisões preventivas saem de 30% a 40% mais baratas do que consertos e reparos diversos. Ou seja: prevenir é, de fato, melhor do que remediar.

Além disso, veículos em mau estado de conservação podem ser multados e seus motorista podem perder pontos na carteira. Dependendo do estado do caminhão, ele pode ser até apreendido por infração do Código de Trânsito Brasileiro. Em resumo: cuidar da manutenção do caminhão é uma forma inteligente de economizar.

Manutenção do caminhão previne acidentes

A manutenção do caminhão não é importante só pela economia, mas também porque ajuda a prevenir acidentes. De acordo com pesquisa do Instituto Scaringella Trânsito, cerca de 27% dos acidentes rodoviários e urbanos no Brasil poderiam ser sido evitados se o motorista tivesse feito corretamente a manutenção preventiva

O problema é que a maioria dos motoristas só leva o caminhão no mecânico quando alguma peça dá defeito. Alguns problemas são silenciosos e acabam explodindo quando a gente menos espera. A melhor maneira de evitar acidentes – além de dirigir defensivamente, respeitando as regras de trânsito – é estar com a manutenção do caminhão em dia. 

Boas práticas e recomendações para manutenção do caminhão

Vamos ver algumas medidas que ajudam a conferir se manutenção do seu caminhão está em dia. Importante: recorra sempre a um mecânico profissional para mexer no seu caminhão e opte sempre por peças originais, de qualidade testada e garantida. 

Verifique os pneus

Pneus carecas aumentam o risco de acidentes. Certifique-se de que a profundidade dos sulcos da banda de rodagem seja de, no mínimo, 1,6 mm. Não se esqueça de manter os pneus sempre calibrados. Se os pneus estiverem com a pressão correta, eles vão render mais e você pode até economizar combustível. Fazer o rodízio de pneus também é importante.

Troque os filtros periodicamente

Cada vez que você trocar o óleo, troque também o filtro de óleo do motor. Os filtros de ar (do motor e da cabine) também devem ser trocados com regularidade, especialmente se o caminhão trafegar em condições extremas, como áreas rurais. Os filtros de combustível, em geral, precisam ser trocados a cada 15 mil quilômetros rodados. 

Cheque o óleo do motor

Verifique sempre o nível de óleo do motor por meio da vareta. Cheque se há impurezas, borras ou detritos metálicos nas peças do motor para saber como está o óleo. E, é claro, troque o óleo com regularidade, seguindo as instruções do fabricante quanto ao tipo e à viscosidade do óleo a ser utilizado. 

Preste atenção na fumaça do escape

Se a fumaça for preta, pode haver um problema na queima de combustível causado por falhas no sistema de injeção, o que também aumenta o consumo de combustível, diminui a vida útil do motor e produz mais poluição. Se a fumaça for azulada, a lubrificação do motor pode estar com problemas. Se for branca, deve ser queima do líquido de arrefecimento por falhas nas vedações de juntas, que não foram capazes de segurar a água, o que pode estragar o motor.  

Fique atento a ruídos no sistema de transmissão (marcha)

Se você ouvir um barulho diferente ou tiver dificuldades na hora de trocar a marcha, procure um mecânico antes que o problema evolua. Lembre-se também de verificar a lubrificação do sistema de transmissão.

Verifique a refrigeração do motor

Não se esqueça de verificar regularmente a válvula termostática, a bomba, o reservatório e os aditivos. Fique de olho na temperatura do motor.

Confira faróis e sinalização

Confira todas as luzes do caminhão (piscas, luzes de freio, sinalização traseira e lateral, faróis baixos e altos, lanternas, etc) antes de pegar a estrada. Regule os feixes de luz dos faróis a cada seis meses ou quando perceber mudanças na luminosidade.

Faça revisão dos freios

É importante fazer a revisão dos freios a cada 15 ou 20 mil quilômetros rodados. Procure por vazamentos e cheque o estado das lonas e tambores. Não esqueça de drenar os reservatórios de ar sempre que trocar o filtro secador de ar para evitar o acúmulo de umidade, que diminuiu a vida útil das válvulas pneumáticas.

Verifique as condições do escapamento

Verifique o estado do escapamento sempre que notar alguma ferrugem ou ouvir um barulho diferente. Os solavancos provocados por buracos na estrada podem desgastar as junções dos sistema de escape de gases. 

Dê atenção aos acoplamentos

Sentir trancos na parte traseira do caminhão quando frear ou arrancar pode indicar um problema com a quinta roda, que é importante para a segurança da carga e de toda a composição. Fique de olho e não se esqueça de limpar e engraxar as ranhuras da quinta roda sempre que houver troca de implemento. 

Cuide da embreagem

Não apoie o pé no pedal para descansar, não arranque sem usar a primeira marcha, não use marchas muito altas quando a velocidade for baixa, não transporte peso maior que o indicado. Se o pedal da embreagem estiver trepidando ou estiver difícil de trocar as marchas, é hora da revisão.

Revise a suspensão

Verifique se os componentes estão folgados, se os parafusos não estão frouxos, se os pinos estão lubrificados e se as peças (coxins, batentes, molas, barra estabilizadora) não estão desgastadas. Se a suspensão for de ar, é importante fazer revisões periódicas para saber como estão as buchas, os balancins, as mangueiras e as válvulas.

Troque as palhetas do limpador

Devem ser trocadas uma vez por ano.

Verifique e teste o sistema elétrico

Verifique se os chicotes parecem ressecados ou oxidados e se as peças estão bem encaixadas. Faça testes periódicos de tensão e corrente. 

Aprenda sobre gestão de manutenção de frota com a Cobli Ensina. É gratuito!

7 mitos e verdades sobre a manutenção do caminhão

Será que você sabe mesmo cuidar do seu caminhão ou está acreditando em alguns mitos? Confira aí:

Dirigir em ponto morto economiza combustível?

Mito! O que acontece é o contrário. Quando o caminhão está engatado em uma descida, a injeção de combustível é suspensa porque o veículo “entende” que o motor não está precisando de combustível para rodar. Se o caminhão está em ponto morto, o módulo da injeção não “entende” isso, e o motor continua funcionando e gastando combustível. Descer ladeiras em ponto morto, além de ser perigoso, sobrecarrega o sistema de frenagem e aumenta o desgaste das lonas e tambores. 

O motor precisa aquecer?

Mito! Hoje em dia, os caminhões vêm com sistema de injeção eletrônica e não é necessário deixar o motor ligado uns minutos antes de arrancar. 

Válvula termostática atrapalha o funcionamento do motor?

Mito! As válvulas termostáticas dividem a água entre o motor e radiador, resfriando e aquecendo o que for necessário. Retirar a válvula pode prejudicar esse equilíbrio e o motor pode demorar mais para aquecer – e, às vezes, aquecer até demais.

O aditivo da água do radiador é desnecessário?

Mito! O aditivo impede a água do sistema de arrefecimento de congelar ou entrar em ebulição e também evita a corrosão a oxidação do motor.

Óleo de mamona evita corrosão do chassi?

Mito! Óleo de mamona pode desgastar ainda mais o chassi e ressecar as partes plásticas e os componentes de borracha, como mangueiras e vedações. 

Acelerar ao ligar é bom para o motor?

Era verdade para os antigos motores carburados, mas, hoje em dia, graças a injeção eletrônica, é mito! Acelerar ao ligar gasta combustível à toa e faz os pistões trabalharem mais rápido que o normal nos cilindros, fazendo com eles precisem de mais lubrificação.

É bom dar uma acelerada antes de desligar?

Mito! Há quem pense que acelerar antes de desligar injeta combustível no motor e mantém o óleo lubrificante nas partes móveis, o que facilitaria partidas futuras, mas não é verdade. Acelerar antes de desligar faz a turbina do motor girar mais rápido, e, como ela funciona por inércia, só vai parar um pouco depois de desligado o motor. Mas o óleo é cortado assim que o motor desliga. Ou seja, a turbina fica girando um tempo sem lubrificação, o que pode causar desgaste.

Videotelemetria ajuda a reduzir custos de manutenção com acidentes e sinistros

A videotelemetria é uma tecnologia que utiliza a captação de imagens para a coleta de dados através de câmera de segurança veicular.

Seu funcionamento consiste na instalação de uma câmera no automóvel, que vai gravar imagens tanto do exterior quanto do interior do veículo.

E como ela ajuda a reduzir custos de manutenção com acidentes e sinistros?

Com a captação das imagens tanto da cabine quanto da via, fica muito mais fácil verificar incidentes de trânsito e identificar o que, realmente, aconteceu. Sem achismos, mas com imagens e filmagens em mãos.

Além disso, com o alerta de excesso de velocidade do veículo, o motorista consegue atuar de maneira preventiva para que algum reparo ou manutenção por conta de um sinistro, não aconteça.

Tudo isso pode ser encontrado na Cobli Cam, telemetria com vídeo que reduz custos e aumenta o cuidado.

Essa tecnologia permite ao gestor identificar e inibir a condução perigosa, tendo mais controle sobre o modo de condução, a partir da videotelemetria.

Conheça alguns dos benefícios para reduzir acidentes e aumentar a segurança:

  • Diminuir custos com manutenção: quais mais incidentes ou sinistros, maior o número de manutenções, certo? Com a videotelemetria, além de aumentar a segurança, o motorista também previne que eventos como esse aconteçam;
  • Identificar comportamentos de risco: entenda o comportamento dos motoristas ao volante e dê feedbacks certeiros para os condutores melhorarem seu desempenho;
  • Reduzir custos com infrações e acidentes: monitore e identifique padrões de risco na condução. Receba alertas pelo painel e tenha as gravações dos eventos registradas automaticamente;
  • Proteger de falsas acusações em casos de acidente: utilize as gravações como evidências para discussões jurídicas e solução de processos.

Também é possível contar com alertas sonoros que são gerados a cada evento de direção perigosa que o motorista executa, como “direção distraída“, “curvas bruscas” ou “proximidade do veículo da frente“. Assim, ele consegue ser alertado, sem precisar desviar a atenção do trânsito.

Quer saber como a videotelemetria funciona na prática e quais seus outros inúmeros benefícios? Acesse e baixa o guia que a Cobli preparou aqui ou abaixo:

Esta publicação te ajudou? Acesse nosso site, descubra nossas soluções personalizadas e como a gente pode te ajudar! Confira também outras explicações sobre questões de logística e gestão de frota em nosso blog.

Fortaleça seu currículo: Curso de Segurança no trânsito para frotas. 100% gratuito, com certificação.
Fale com nossos especialistas!

Estamos disponíveis para tirar dúvidas e demonstrar o sistema de rastreamento e monitoramento de frotas da Cobli em ação.

Teste grátis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.