Como calcular o custo operacional da empresa passo a passo

O custo operacional tem um grande impacto no funcionamento de qualquer empresa, pois, detalha em números o valor que deve ser investido mensalmente para a fabricação de um produto ou a oferta de um serviço.

Ao calcular de forma eficiente o custo operacional, é possível traçar estratégias que visam manter a saúde financeira do negócio, com o intuito de otimizar os gastos e despesas que envolvem as mais diversas áreas da companhia.

E nesta conta diversas variáveis devem ser consideradas, principalmente as de cunho externo, como o fornecimento de matéria-prima. No primeiro trimestre de 2022, a falta de insumos, como aço e plástico, afetou quatro em cada 10 indústrias brasileiras, segundo a FGV (Fundação Getúlio Vargas).

O cenário impactou significativamente a linha de produção de diversos setores, incluindo o da construção civil, que tiveram que reduzir o ritmo de fabricação de suas mercadorias.

Se você quer entender melhor como calcular o custo operacional de uma empresa, saber os exemplos de custos e ainda ver dicas de como realizar este processo em sua organização, continue com a leitura e veja as informações a seguir.

Quais são os custos operacionais da empresa?

Antes de explorar a fundo o tema, é preciso entender o que é custo operacional. Bom, como o próprio nome indica, ele está ligado a todas as despesas que mantém a empresa funcionando.

Dessa forma, o custo operacional total engloba desde o pagamento de salários, a compra de matérias-primas e a logística. Ou seja, é o valor investido para conseguir produzir bens ou oferecer serviços.

Este cálculo é importante porque o pagamento destas despesas deve acontecer, independentemente do desempenho da companhia.

O custo operacional pode evidenciar como anda a saúde financeira de uma empresa.

Com isso, mesmo que ao longo do mês, a empresa não tenha conseguido vender um produto sequer, é preciso garantir que o custo das operações seja feito em dia.

Claro que para isso acontecer é preciso muito planejamento e estratégias que vão manter as finanças sempre saudáveis. Aliás, o cálculo do custo operacional contribui justamente para que a saúde financeira possa ser alcançada.

Ao entender quais são as áreas ou operações que mais demandam investimentos, é possível traçar ações e metas que visam reduzir estes gastos, como novas negociações com fornecedores, revisão do preço dos produtos ou serviços e até mesmo o corte de verba.

Quais os tipos de custo?

Depois de entender a importância desta demanda dentro de uma companhia, chegou a hora de conhecer os tipos de custo operacional e exemplos práticos do que eles representam para as finanças de qualquer empresa.

Estes custos são divididos em duas categorias: fixos e variáveis. Veja abaixo quais são eles.

Custos operacionais fixos

Os custos fixos são aqueles que ocorrem independentemente do faturamento da empresa e devem ser realizados para manter suas operações em funcionamento.

Uma boa ilustração é o pagamento de salários dos funcionários, que precisa ser feito mesmo que a companhia não tenha lucros ou não faça vendas ao longo do mês.

Confira abaixo mais exemplos de custos operacionais fixos:

  • Aluguel;
  • Impostos;
  • Contas de água, energia, telefone e internet;
  • Limpeza;
  • Material de escritório;
  • Salários;
  • Treinamento e demissão de funcionários;
  • Segurança;
  • Materiais de escritório;
  • Seguro.

Custos operacionais variáveis

Os custos operacionais variáveis, por sua vez, são valores gastos que podem variar de acordo com as resoluções da empresa ou do volume de produção.

Quando se trata de verbas de marketing, estes custos podem até ser encarados como fixos, pois ocorrem todos os meses, entretanto é comum que os valores investidos flutuem para se adequar ao momento vivido pela organização.

Conheça mais exemplos de custos operacionais variáveis:

  • Despesas logísticas, como estoque, armazenagem e transporte.
  • Publicidade e marketing;
  • Despesas com viagens da equipe;
  • Comissões de vendas;
  • Matéria-prima;
  • Manutenção e reparo de equipamentos.

Há ainda os chamados custos operacionais semivariáveis, que são as despesas que não possuem uma única classificação.

Um ótimo exemplo é a hora-extra, na qual se tem o salário como custo fixo, mas caso seja necessário que o funcionário trabalhe a mais por conta da alta demanda de produção, é possível pagar um valor a mais pelo tempo adicional.

Como se calcula o custo operacional?

O cálculo do custo operacional pode ser feito de algumas maneiras, mas existe uma fórmula bem simples e muito utilizada:

Custo operacional = custo de bens ou produtos vendidos + despesas operacionais

Outra forma muito difundida se baseia na média de 3 meses para o cálculo e usam duas variáveis, veja como obter o cálculo:

  1. Média de vendas: total de vendas nos últimos 3 meses / 3
  2. Média de despesas: total de despesas nos últimos 3 meses / 3

Assim, o cálculo final do custo operacional de uma empresa fica assim:

Custo operacional = média de vendas / média de despesas

Dicas para reduzir o custo operacional

Encontrar o ponto de equilíbrio ou break even point é muito importante para que as finanças de uma companhia se mantenham saudáveis. Ele indica o faturamento mínimo que se deve ter para cobrir os custos operacionais.

Mas é essencial ir além dele e buscar um faturamento que realmente seja lucrativo e mantenha a produção em pleno funcionamento e com força para ultrapassar adversidades.

Por isso, a gestão financeira precisa estar atenta a algumas ações que podem contribuir para diminuir o custo operacional total.

Monitorar de perto o custo operacional pode ser a chave para manter a lucratividade de uma empresa

Um exemplo eficiente é investir em manutenção preventiva do maquinário ou mesmo da frota, assim evita-se a paralisação da linha de produção e os gastos costumam ser bem menores.

O controle de desperdícios é outro elemento chave. É primordial evitar excessos, sejam eles de materiais de escritório, embalagens, viagens, estoque ou qualquer outro ponto que indique um volume de despesa acima do necessário.

Outra dica interessante é o mapeamento de processos, que vai permitir que o fluxo de trabalho seja feito com fluidez e objetividade. Além disso, o investimento em tecnologia otimiza as demandas, aumenta a produtividade e ainda permite análises claras e estratégicas.

Uma boa negociação com fornecedores também têm um peso muito relevante para que o custo operacional seja reduzido.

A definição de metas e uma comunicação eficiente entre gestores e colaboradores tendem a deixar as atividades do dia a dia mais objetivas e com muito mais chances dos resultados esperados serem alcançados.

Entender do seu negócio, administrá-lo sempre de perto e ter um controle do custo operacional eficiente são imprescindíveis para obter sucesso em qualquer em qualquer segmento.

Esta publicação te ajudou? Confira essa e outras explicações sobre questões de logística e gestão de frota no blog da Cobli.

Fale com nossos especialistas!

Estamos disponíveis para tirar dúvidas e demonstrar o sistema de rastreamento e monitoramento de frotas da Cobli em ação.

Teste grátis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.