Você pretende usar o conteúdo abaixo para
Agradecemos sua resposta!

Tempo de leitura: 8 minutos

Se você já teve que comprar algum veículo (pode ser carro, moto, caminhão, tanto faz) para uso pessoal ou para sua frota, já deve ter ouvido falar que para calcular o quanto você vai gastar durante o ano vai muito além óbvio – gasolina, seguro e IPVA. Certo?

Pois bem, existem diversos custos escondidos que não pensamos na hora de adquirir um veículo e pesam muito no final das contas.

A seguir, vamos detalhar cada um deles e, no final, disponibilizamos uma planilha para que você também possa fazer essa conta. Continue a leitura!

Depreciação

O terror de todo comprador de primeira viagem: quanto seu veículo vai perder de valor todo ano. Existe a máxima que diz que “um veículo zero quilômetros perde até 20% do seu valor” e, portanto, não vale a pena comprar carros novos. Os estudos da Cobli apontaram que isso é uma meia verdade.

Analisamos diversos carros populares à partir dos dados da tabela FIPE e descobrimos que, de fato, o veículo se desvaloriza mais nos 3 primeiros anos de uso, com destaque para o primeiro ano que chega a até 20% (não quando sai da loja mas após um ano de uso). Porém, ao levar em conta a inflação e a desvalorização ao longo dos anos, essa perda é “compensada”.

Para explicar o que isso significa na prática, vamos imaginar 3 cenários:

1.  Você compra seu veículo, roda com ele 3 anos e vende. Em média, você perdeu 35% do valor total do veículo (atualizado pela inflação), ou seja, ~15% a.a.

2.  O mesmo veículo, mas dessa vez você o vende após 5 anos de uso. Em média, ele perdeu 46% do valor, ou ~11% a.a.

3.  Em um terceiro cenário, você vende esse veículo após 10 anos. Seu valor atualizado será 62% menor que o da compra. Uma perda média de 8,5% a.a.

E a partir daí, essa perda anual se mantém estabilizada. Dessa forma, chegamos ao número de depreciação média de um veículo ser 8,5%, ao longo de uma vida útil de mais de 10 anos.

É importante destacar que diversos fatores influenciam nesse número, sobretudo, mas não limitado a: quilometragem, estado de conservação, modificações realizadas, categoria do veículo (importado ou nacional).

Seguro veicular

Outro custo representativo e muito importante, principalmente para quem vive em grandes cidades. O seguro é um custo extremamente variável, podendo ter uma diferença de preço de mais de 100% para um mesmo veículo.

As características que “barateiam” o seguro costumam ser: Motoristas mulheres, idosos, morar em locais com menos furtos (normalmente cidades menores), deixar o veículo em estacionamento, ser casado, ter um rastreador, qual trajeto diário, entre outros. Sem contar, é claro, as características do veículo.

Para definir um valor médio para esse, levamos em conta a cotação média dos carros mais vendidos no brasil, para um perfil “intermediário” de risco. Chegamos no valor de 4% do valor do veículo, para o primeiro ano. Ou seja, um veículo zero quilômetros comprado por R$50.000 terá, em média, um seguro de R$2.000 (podendo ir de R$800 até R$3.500)

A partir daí, buscamos entender como esse preço varia com o tempo. Fizemos uma pesquisa com 137 pessoas e descobrimos que, na maioria das vezes, o preço nominal do seguro costuma aumentar. Na prática, isso quer dizer que: o valor que você paga no segundo ano de seguro será igual ou maior que o do primeiro.

Considerando que o valor do carro diminui todo ano, o seguro deveria diminuir também, certo? Não necessariamente, dois fatores centrais impedem que isso aconteça: Inflação e popularidade. O primeiro, anda na contracorrente da desvalorização e empurra o preço de tudo para cima (inclusive da infraestrutura das seguradoras). O segundo diz respeito a quanto o veículo é “visado” para furtos, o que costuma aumentar ao longo dos anos.

E então  chegamos no segundo valor do seguro: O quanto ele aumenta por ano. Considerando todos os pontos e pesquisas anteriores, chegamos numa taxa de 11% sobre o valor que o seguro representa do carro. Explicando na prática, vamos voltar para o carro de R$50.000:

·   No primeiro ano, o seguro dele será de ~R$2.000 (4% do valor do carro)

·   No segundo ano, o seguro será de ~R$2.031, mas o carro agora vale aproximadamente R$45.750, ou seja, o seguro representa 4,44% do carro (11% a mais que no ano anterior)

·   Todo ano, esse valor aumentará, até que o seguro represente quase 25% do valor do veículo (em mais ou menos 20 anos)

manutenção preventiva na administração de frota

Manutenção de veículos

Esse custo costuma ser o mais imprevisível, o que chamamos tecnicamente de “Manutenção Corretiva”, pois estamos acostumados com esses tipos de reparos. A questão central aqui é que, um veículo bem cuidado pode ter seus custos de manutenções calculados previamente, baseado em uma boa gestão de manutenções preventivas.

Temos um conteúdo dedicado para isso, que você pode encontrar aqui para olhar com calma, mas, em resumo, temos dois tipos de manutenções:

·   Corretiva: Quando tem que fazer um reparo não previsto, como quando uma peça quebra antes do tempo. Ela pode ser ocasionada por um acidente ou, na maioria das vezes, mau uso e falta de gestão das manutenção preventivas

·   Preventiva: Quando troca uma peça ou um item porque ele chegou no final da sua vida útil. Trocar o óleo frequentemente na quilometragem correta é um exemplo disso.

Um veículo que funciona a base de manutenções corretivas terá custos que podem ser mais do dobro das preventivas. Por isso, para calcular o custo de manutenção, levamos em consideração alguém que está com a manutenção preventiva sempre em dia e, por isso, gasta menos e de uma forma mais previsível.

Então, analisando os preços dos itens mais trocados e previstos, novamente para carros mais populares, chegamos em dois números que precisam estar sempre em mente na hora de calcular: 1,5% e 12,5%. Veja o porquê:

1.  No primeiro ano, a manutenção deve representar ~1,5% do preço do veículo. Ou seja, um carro de R$50.000 deve gastar R$750 no primeiro ano.

2.  A partir daí, esse “peso” aumenta todo ano 12,5%. Da mesma forma que o seguro, a manutenção representa todo ano mais que no ano anterior. Para simplificar, vamos pensar no mesmo cenário que apresentamos no seguro (um caro zero de R$50.000):

  • . No primeiro ano, a manutenção dele será de ~R$750 (1,5% do valor do carro)
  • . No segundo ano, a manutenção será de ~R$844, mas o carro agora vale aproximadamente R$45.750, ou seja, o custo da manutenção representa 1,85% do valor do carro carro (12,5% a mais que no ano anterior)
  • Todo ano, esse valor aumentará, até um momento em que a manutenção fique mais cara do que o valor de venda do veículo (mais ou menos 22 anos).

Consumo de combustível

Esse é o valor mais simples de calcular, porém é o mais difícil de prever. Como a gasolina oscila muito, e não está relacionada com a inflação, é difícil dizer o quanto ela custará em 3 anos, que dirá em 10 ou 20. Por isso, para facilitar o cálculo, consideramos um preço de gasolina constante – um dos métodos que funciona melhor em casos com esse.

Isso colocado, precisamos de apenas 3 informações para calcular quanto você vai gastar, e daremos um nome para cada uma delas: Qual a eficiência do veículo em Km/L (e)? Quanto custa o combustível que você paga (c)? Quantos quilômetros você roda por mês (q)?

Claro, tudo isso são valores médios. E para a eficiência, é importante levar em conta o combustível que você mais usa (em casos de veículos flex). Pegando esses três números e adicionando o número de meses de um ano (12), temos a fórmula de gastos de combustível anual (R$C):

EjS3SfI9yNesHZGH MZBlhWeBM1wVEncWxTBAY 4VDtylqWHIt eKbe Y 5Z4OQEAnVAgk7R Tk0hDQ15eNyV2qm4 o22xWD4a1Cu8Eli2Wp8vzxXoQtIK7Epo4 bBAsgJ01Zdgm - Quanto custa de verdade o seu veículo?

Em outras palavras: O gasto anual é = a quilometragem mensal X o custo por litro X doze ÷ pela eficiência.

Outros tipos de custos

Alguns outros custos são relevantes, mas muito específicos para cada pessoa, por isso deixamos para você mesmo indicar:

·   IPVA: Varia dependendo do estado, categoria do veículo e regras especiais. Como é uma taxa fixa (% do valor do seguro) basta consultar as regras do seu estado

·   Estacionamento, sistemas instalados (rastreador, bloqueador etc.), documentação, qualquer modificação que você vá fazer ou outros custos que o seu uso possa apresentar

Conclusão

Como ficou claro, não é simples calcular quanto realmente seu veículo custa ou custará em alguns anos. São basicamente 6 gastos recorrentes que, além de influenciarem uns aos outros, ainda mudam todo ano.

Dessa forma, para te ajudar, detalhamos cada um deles abaixo e disponibilizamos, na sequência, uma planilha onde você mesmo pode calcular o gasto previsto para seu veículo! São eles:

·   Depreciação: Taxa de 8,5% para um uso de pelo menos 10 anos do veículo

·   Seguro: 4% do valor do veículo novo, aumentando 11% essa proporção anualmente

·   Manutenção: 1,5% do valor do veículo novo, aumentando 12,5% essa proporção anualmente

·   Combustível: Depende do seu uso e pode ser calculado pela fórmula de gastos

·   IPVA: Taxa anual fixada pelo Estado de cadastro do veículo

·   Outros: Custos eventuais específicos de cada pessoa e do uso dado ao veículo

Chegou a sua vez de fazer o cálculo de quanto realmente custa os seus veículos!

Esta publicação te ajudou? Confira outras explicações de gestão de veículos em outros conteúdos do nosso blog!

Manutenção de frota - Quanto custa de verdade o seu veículo?
Fale com nossos especialistas!

Estamos disponíveis para tirar dúvidas e demostrar o sistema de rastreamento e monitoramento de frotas da Cobli em ação.

Teste grátis

Escreva um Comentário