Você pretende usar o conteúdo abaixo para
Agradecemos sua resposta!

Tempo de leitura: 8 minutos

“Indicadores de desempenho logístico” é um termo que pode assustar desavisados. Mas o significado é simples: são técnicas de medição e criação de metas. 

As palavrinhas pomposas são inevitáveis para quem quer empreender, e, ao mesmo tempo podem fazer até a mais convicta das CNPJs sentir um calafrio. 

A boa notícia, no entanto, é que o assunto é simples. E vamos explicar tudo por aqui.  

O que é um indicador de desempenho? 

Foi essa pergunta que a renomada pesquisadora de dados inglesa Carol Fitz-Gibbon tentou responder lá nos remotos anos 1990. A resposta, no entanto, segue tão precisa e atual como poderia: 

“Um indicador de performance pode ser definido como um item de informação coletado regularmente, para medir a performance de um sistema.”

Ou seja, um indicador de performance (ou KPI, se quiser usar a sigla em inglês) é um dado acompanhado de contexto, e revisado de tempos em tempos, para entender como eles estão se comportando frente às suas metas. 

Exemplos práticos: lucrar R$15 mil é muito? Depende. 

Claro que 300 notas de R$50 serão sempre bem vindas. Mas se no mês passado seu lucro foi de R$ 100 mil, e o objetivo destes 30 dias era fazer R$ 115 mil, talvez você esteja rumo à falência…

Por outro lado, se anteriormente você tirava, no máximo, R$ 3 mil de negócio, e tinha como meta atingir R$ 5 mil, você está a todo vapor!

Os indicadores são dados e metas retirados das planilhas da sua empresa, sempre tentando entender um cenário específico: número de clientes, vendas, gastos, e etc. 

Com eles, é possível montar um panorama sobre o seu passado e relatando o presente, enquanto se tornam ferramentas essenciais para o planejamento do futuro. 

Qual a importância de usar indicadores de desempenho na logística?

Se indicadores de desempenho já são importantes em qualquer empresa, nas marcas que atuam com logística são números absolutamente imprescindíveis. 

O motivo não é tão difícil de entender. 

Empresas de logística, por natureza, são repletas de cálculos e variáveis. 

Uma entrega movimenta centros de distribuição, motoristas, gasolina, estoque, quilometragem do carro, entre outras coisas.  

É essencial, então, entender como esses números estão reagindo ao longo do tempo, e se eles estão alcançando as metas propostas. 

Com esses valores na manga, é possível, entender quais áreas da sua empresa estão tendo mais dificuldade de atingir os objetivos.

Ou seja, um primeiro passo para que esse cenário possa mudar.

Quais são os tipos de indicadores de desempenho logístico? 

Os indicadores de desempenho logístico já fazem parte de várias empresas ao redor do mundo.

Por isso mesmo, alguns modelos já foram criados, para que você possa adicioná-los à sua marca.

Aqui vão alguns exemplos conhecidos:

OTIF: On-Time & In-Full (Na Hora e Perfeito, em português)

OTIFs são indicadores de desempenho logístico que medem as funções da sua empresa perceptíveis ao cliente. 

Na prática, registra como os pedidos que você está fazendo podem gerar algum incômodo ao contratante. 

É importante então criar alguns critérios: a encomenda atrasou? O produto chegou com algum problema?

Se a resposta de algumas das perguntas foi sim, então seu OTIF já não foi 100%.

Neste post específico sobre OTIF, te ensinamos, em detalhes, as melhores formas de calculá-lo. Vale dar uma lidinha. 

Mas, mais importante, de antemão, é que você comece a coletar dados sobre os seus problemas — para entender onde eles estão. 

OTD: On-Time Delivery (Entrega na Hora)

Independente do resultado do seu OTIF, é sempre importante dar uma olhada específica nas entregas. 

Os OTDs são indicadores de desempenho logístico que focam na parte de entrega. 

A conta é feita de um jeito simples: marque como OTD toda entrega que não cometer atrasos. 

Com certa periodicidade divida o número de OTDs pelo conjunto total das entregas. E veja a porcentagem de encomendas pontuais.

OCT: The Order Cycle Time (Tempo do Ciclo de Entrega)

OCTs são indicadores de desempenho logístico que o tempo que demora entre a realização do pedido e a encomenda parar na porta dele. 

A conta é simples: contabilize o número de horas que leva entre o início e o fim do pedido.

É interessante setorizar esses números: entregas mais próximas ao seu estoque tendem a ser completadas mais rapidamente.

Crie, então, categorias que variem de acordo com a quilometragem. E trace metas à partir disso.

Homem analisa Indicadores de desempenho logístico

Como criar seus próprios indicadores de desempenho logístico?

Claro que ter modelos pré-determinados ajudam, mas é muito importante que você entenda o que funciona para sua própria marca.

E isso, provavelmente, exigirá que você crie seus próprios indicadores. Mas como fazer isso? 

Antes de mais nada, é importante você entender quais são os problemas que você quer enfrentar, para daí tirar as metas que serão analisadas.

Olhe com atenção para o problema.

 Se seu plano é, por exemplo, ser mais rápido nas entregas, detalhe o quanto puder esses objetivos. 

Você quer ser mais rápido nas entregas de curta ou longa distância? Quão mais rápido você está pensando em tentar ser nas mais próximas? E nas de longo alcance, dá para acelerar quanto? 

É absolutamente importante, então, que você crie metas que sejam, sim, desafiadoras – mas acima de tudo possíveis. 

Não adianta você simplesmente falar que quer triplicar a velocidade à curta e longa distância. Se for impossível, em pouco tempo você simplesmente desistirá da meta.

Reduzir em duas horas o tempo de entrega para o próximo trimestre, por outro lado, talvez seja realizável…

Também é importante entender os contras das suas decisões.

É fácil reduzir o custo das suas operações em 50%: demita metade de seus funcionários. Mas e depois? Quem vai te ajudar a produzir? 

Mais importante do que atingir os objetivos dos indicadores é conseguir fazer isso de forma que não te prejudique. 

Há algumas boas técnicas que podem te guiar nesse processo de criação. Explicamos bem uma metodologia conhecida como “Smart” neste outro post.

Mas, resumindo bem, é sempre bom ter em mente que os objetivo seja: específico (bem detalhado), mensurável (que você consiga colocar, em números, se a meta — ou parte dela – foi atingida), atingível (objetivos possíveis), relevante (que tenha impacto no seu negócio) e temporal (coloque prazos, em quanto tempo você vai chegar na meta? Um trimestre? Um ano?).

Outra técnica bastante parecida é conhecida como OKR (Objectives and Key Results, ou objetivos e resultados chave — em português).

Nela, é importante traçar os objetivos, ou seja, o que você quer conquistar? 

E os resultados chave: como conquistar? 

Em um TED Talk, o investidor John Doerr conta como essa técnica foi usada, por exemplo, para que o Google transformasse o Chrome em um gigante. 

No caso em questão, o objetivo era se tornar o maior navegador do mundo, e o resultado seria o número de usuários.

A partir daí, então, estratégias foram traçadas para fazer com que pessoas usassem o software. 

Confira no vídeo abaixo:

Conclusão

Indicadores de desempenho logístico são métricas que ajudam a dirigir sua empresa. É extremamente importante tê-los a mão para entender como melhorar —  e em que áreas. 

Com eles você consegue se munir de outras armas, como serviços e empresas que te ajudam a melhorar áreas deficitárias — enquanto geram dados sobre elas.

 A Cobli, por exemplo, possui um sistema de monitoramento e roteirização que te ajuda a acelerar as entregas, diminuir gastos e, de quebra, te ajuda na geração de informações sobre esses processos. 

E agora, tudo certo para capturar dados e traçar metas? Então vamos lá!

Esta publicação te ajudou? Confira essa e outras explicações sobre questões de logística e gestão de frota em nosso blog.

Melhore a gestão da sua frota com a Cobli

   Clique aqui para tirar suas dúvidas ou solicitar um teste grátis do nosso sistema de rastreamento e monitoramento de frotas.

Escreva um Comentário